16 setembro, 2006

Serra de Estrelas

Casal Vale de Ventos, 30/06/2006

Tendo em vista, mais uma observação astronómica, no âmbito da Acção de Formação a que tenho tido o privilégio de assistir, mais uma vez vou dar a conhecer um pouco do que se passou neste dia, em plena serra do PNSAC. Assim, após breve concentração junto à Escola Dr. Correia Mateus lá partimos com os nossos carros rumo ao concelho de Porto de Mós, devidamente apetrechados quer de mantimentos, quer de instrumentos astronómicos de observação, onde nos esperava uma acolhedora e muito simpática Casa Abrigo. Com uma noite razoavelmente agradável, mas não muito estável em termos de “Céu limpo e Pouco nublado” conforme convém a uma boa observação, o colega João Nelson - profundo conhecedor, começou por instalar os telescópios, aproveitando o facto para prestar alguns esclarecimentos e conceitos técnicos, sobre tipos de telescópios, ângulos de observação, espelhos reflectores e outros mecanismos que fazem parte de toda a estrutura de um telescópio. Instalados os telescópios e, enquanto as brasas já aqueciam a casa, grelhavam as carnes e a mesa estava composta, o responsável e mentor da acção – Fernando Martins - de, quando em vez, lá nos ia chamando à atenção, para a observação de corpos celestes, sempre que o céu o permitia, identificando-os e referenciando-os. Muito embora a noite não estivesse famosa, ainda assim, pontualmente, foi possível observar constelações e alguns pontos de luz.

Com a barriga cheia, os olhos estrelados e uma cama fofa à minha espera, assim terminei mais uma etapa desta acção à qual presto a minha homenagem publicando algumas imagens, em resultado de uma breve pesquisa. Aqui vai…


Tipos de Telescópios

Variação conforme a óptica utilizada:


Telescópios Refractores:


Utilizam lente ou conjunto de lentes na função de elemento primário de captura da luz ou objectiva (são vulgarmente chamados de Lunetas, talvez pelo fato dos modelos mais comuns serem adequados principalmente para ver a Lua com uma boa qualidade de imagem). O 'F' na imagem é o ponto focal do telescópio (ponto onde os raios de luz que incidem na óptica convergem). A distância da lente/espelho ao ponto focal é a distância focal do telescópio e determina as suas características.


Telescópios Reflectores:


Utilizam um espelho primário côncavo para colectar a luz e formar a imagem. No telescópio reflector Newtoniano, a luz é reflectida para um pequeno espelho inclinado em 45º que desvia a luz para uma abertura lateral do tubo, onde fica a ocular. São os telescópios de melhor custo-benefício encontrados, portanto muito indicados para o nível introdutório.

Telescópios Catadióptricos:
Empregam ambos elementos: espelho e lente, resultando em uma configuração que proporciona telescópios pequenos e portáteis e com óptimo poder de ampliação. No entanto requerem maior tecnologia para serem fabricados, o que os tornam mais caros.

Os tipos mais comuns de catadióptricos são:
  • Cassegrain, onde a lente frontal é uma lente plana.
  • Schmidt-Cassegrain, onde a lente frontal é uma lente complexa chamada de placa corretora, que tem a função de reduzir a aberração esférica do espelho principal.
  • Maksutov-Cassegrain, onde a placa corretora é uma lente chamada de menisco-divergente.

Sem comentários: