27 agosto, 2009

A mentira do Marte Gigante de Agosto...

Publicamos na íntegra o seguinte e-mail da mailing-list Astronovas:



Observatório Astronómico de Lisboa

Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa



Todos os anos, nesta altura do ano, surge na Internet a notícia de que Marte estará muito próximo da Terra. Segundo a notícia, a grande aproximação aconteceria no dia 27 de Agosto, e nessa ocasião, Marte ficaria com o mesmo tamanho angular da Lua, podendo-se ver "duas luas" no céu. Esta noticia não tem qualquer fundamento!

Este boato, recorrente, têm surgido nos últimos seis anos porque Marte esteve realmente muito próximo da Terra em 27 de Agosto de 2003. Nesse dia o planeta vermelho esteve a "apenas" 55,76 milhões de quilómetros da Terra, a menor distância entre os dois planetas dos últimos 60 mil anos. Mas mesmo nessa ocasião, Marte esteve muito longe de se comparar em tamanho aparente ao nosso satélite natural, que mantinha um diâmetro aparente 72 vezes maior do que o de Marte.

O fenómeno de maior proximidade entre a Terra e Marte não se repete anualmente, as melhores fases de observação de Marte têm um período próprio que depende dos períodos de translação de Marte e da Terra em redor do Sol. Esse período é conhecido como período sinódico, e, para o caso de Marte, vale 780 dias, aproximadamente. O próxima vez em que o planeta vermelho e a Terra se encontram próximos ocorrerá só no dia 27 de Janeiro de 2010. Nessa dia a distância entre os dois planetas será de 99 milhões e 330 mil quilómetros: mais distante que o fenómeno ocorrido em 2003. Nessa ocasião, o tamanho aparente de Marte será, como sempre, muito menor que o da Lua. Nunca se poderá ver Marte do tamanho da Lua!

Este ano, durante a madrugada de 27 de Agosto de 2009, Marte estará no céu e poderá ser observado. O nascimento do planeta ocorrerá às 10.54 horas. A Lua estará na fase de quarto crescente.

Para obter mais informação sobre a "visibilidade do Planeta Marte em 2009" consulte no nosso site a página

http://www.oal.ul.pt/index.php?link=dados2009




**** ASTRONOVAS ****

Lista de distribuição de notícias de Astronomia em Português

Observatório Astronómico de Lisboa
Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa
Tapada da Ajuda, 1349-018 Lisboa
Portugal

Telefone: 351+21 361 67 39
Fax: 351+21 361 67 52

1) Sugestões de notícias poderão ser enviadas para o endereço:
astronov@oal.ul.pt

2) Inscrição: envie uma mensagem vazia para o endereço:
astronovas-subscribe@oal.ul.pt

3) Cancelar a inscrição: envie uma mensagem vazia o endereço:
astronovas-unsubscribe@oal.ul.pt

25 agosto, 2009

Google Doodle do Dia - a apresentação pública da luneta de Galileu


Está giro - não está? O doutor Galileu Galilei teria adorado...

O motivo porque comemoramos o Ano Internacional da Astronomia foi há 400 anos

Telescópio foi apresentado há 400 anos
Galileu Galilei: O homem que abriu a janela pela qual continuamos a olhar o universo
25.08.2009 - 09h33 Nicolau Ferreira

O conhecimento que Galileu proporcionou não se cansa de expandir

Se mais nada houvesse, as quatro luas de Júpiter descobertas em 1610 por Galileu Galilei teriam sido suficientes para deixá-lo célebre. A 7 de Janeiro desse ano, o cientista, original de Pisa, olhou através de um telescópio fabricado por si - com mais qualidade do que o que tinha apresentado ao Senado de Veneza meses antes - e viu quatro luzinhas que giravam à volta de Júpiter e que pareciam estrelas.

A descoberta, como sempre, não lhe bastou e Galileu passou a fazer observações cuidadosas noite após noite. Com registos, esquemas, rigor, persistência. "Com Galileu, cada facto extraordinário que ele descobria passava imediatamente a objecto de estudo sistemático. É isto que é genial nele", lembra Henrique Leitão, investigador em História da Ciência da Universidade de Lisboa.

O estudo produziu frutos: as luzes, afinal, eram os primeiros quatro dos mais de 60 satélites que estão amarrados ao planeta gigante. As implicações da descoberta não tardaram e a curiosidade de Galileu estava apenas a começar a abanar o mundo. Muito mais estava para vir.

Um ano antes, Galileu era apenas um professor menor da Universidade de Pádua, com 45 anos, amante da mecânica, com dificuldades financeiras por ter de sustentar a família, longe de imaginar que um objecto baseado em princípios ópticos fosse transformá-lo num revolucionário da Astronomia. Nessa altura, o telescópio começava a aparecer como curiosidade em algumas feiras na Europa, depois de ter sido inventado na Holanda, em Outubro de 1608.

O que se conta, ou pelo menos o que Galileu conta, é que ouviu rumores na Primavera seguinte sobre o objecto. "Galileu, segundo o próprio, começou a fabricar o telescópio apenas com essa informação", explica Henrique Leitão, acrescentando que o cientista era muito bom artesão. Rapidamente foi aperfeiçoando o telescópio através do polimento das lentes, uma técnica que os artesãos da região dominavam.

O telescópio que apresentou ao Senado de Veneza a 25 de Agosto era um simples tubo com uma lente côncava do lado da ocular e outra convexa na objectiva. Durante o Verão, o instrumento ainda era visto como um objecto militar que dava um novo significado à frase "Vê os teus inimigos antes que eles te vejam".

Galileu entrou em contacto com o Senado com o objectivo claro de melhorar a sua posição na universidade. Apesar de ter conseguido a recompensa, tudo indica que não ficou muito contente com o aumento de rendimentos. Mas já não tirou mais a mão do telescópio e, algures durante o Outono, decidiu finalmente utilizá-lo para olhar o céu. O primeiro objecto que focou foi o que estava mais perto, o mais fácil de todos, o que é irresistível de olhar. Foi logo à primeira, com a Lua, que Galileu começou a fazer estragos na mentalidade da época. "As observações da Lua têm um carácter sistemático e de rigor que permitem retirar conclusões que mais ninguém retirou. Ele repara que a Lua é feita de montanhas e vales, consegue fazer uma estimativa da altura das montanhas", descreve também o investigador português. "A Lua fica apresentada como um enorme rochedo" e torna-se muito mais semelhante à Terra.

Ainda segundo Henrique Leitão, os desenhos de Galileu da Lua tinham tanta qualidade que as pessoas conseguiam identificar os pormenores a olho nu. A matéria celestial, a quinta-essência, o sagrado começam a ser postos em causa.

Depois, vieram as luas de Júpiter. Mas foi quando apontou o telescópio para Vénus, viu as fases que o planeta tinha e só conseguiu justificá-las através da teoria heliocêntrica de Nicolau Copérnico - desenvolvida quase cem anos antes e publicada no ano da morte do polaco, em 1543, que diz que o Sol é o centro do universo e não a Terra - é que percebeu a prova que tinha na mão e finalmente pôs o mundo a questionar a teoria geocêntrica.

Henrique Leitão resume: "Em 1600, estima-se que existam 10 copernianos em todo o mundo, só os eruditos conhecem a teoria. Com Galileu, a hipótese de Copérnico ganha os fóruns, as regras do jogo vão mudar. [Galileu] vai transformar o debate de superespecialistas numa discussão para toda a gente".

Objecto revolucionário
Filósofos, cientistas, artistas, poetas, teólogos, discutiram sobre as observações de Galileu. Foi efervescente. Muitas pessoas tinham telescópios de má qualidade e Galileu tornou a sua casa numa fábrica de telescópios para assegurar aos interessados bons instrumentos que permitissem realizar as mesmas observações. Por outro lado, ao mesmo tempo que ia fazendo os seus registos, os astrónomos jesuítas confirmavam o que o cientista via.

Há um entusiasmo único, um fascínio que faz com que Galileu inicie estas investigações e apresente tantas ideias. "Muitos dos seus documentos têm uma retórica fantástica", assegura o investigador português. "Apesar de Galileu não provar que a Terra se movia, as suas contribuições tornaram muito mais fácil acreditar que sim", explica por e-mail ao P2 Owen Gingerich, professor de Astronomia do Instituto de Astrofísica da Universidade de Harvard. "Ele ajudou a mudar as regras da ciência. Hoje, a ciência funciona muito mais por persuasão, com explicações alargadas e coerentes, e menos por provas."

Nada disto teria sido possível sem o telescópio, que Henrique Leitão diz ser "absolutamente revolucionário". "Muda a carreira de Galileu - era um professor menor e torna-se do dia para a noite no cientista mais importante da Europa. Torna o debate sobre a teoria de Copérnico obrigatório. É preciso compreender o instrumento, toda a literatura da altura mostra o fascínio pelo telescópio." Talvez tão incrível como isso é que, para a Astronomia, o telescópio permanece actual. "Continua a ser a melhor ferramenta, embora com formas e alcances bem mais evoluídos, colocados na terra ou no espaço", diz, por e-mail, Máximo Ferreira, astrónomo e coordenador científico do Centro de Ciência Viva de Constância.

Desafios actuais
Sem telescópios, um dos maiores desafios actuais da Astronomia não se concretizará. "Neste momento, os astrónomos estão a tentar encontrar planetas parecidos com a Terra com assinaturas de vida. Isto poderá bem ser encontrado na próxima década", explica Owen Gingerich, acrescentando que este desafio é muito diferente de encontrar vida inteligente, "que provavelmente não acontecerá durante os nossos tempos de vida".

Para Máximo Ferreira, a grande questão, onde está envolvido um maior número de investigadores, "está relacionada com a expansão do universo e com a identificação e (eventual) detecção da matéria e energia escuras". O astrónomo aponta a descoberta da matéria invisível, que não emite radiação - mas que pode ser inferida pela força gravítica que tem na matéria visível - para "daqui a algumas décadas".

Seria com certeza mais um exemplo da capacidade de observação, procura e imaginação do homem - que, em simultâneo, o torna cada vez mais pequeno no meio do cosmos, tal e qual Galileu fez há 400 anos. A Astronomia é, para Owen Gingerich, "a ciência que nos traz mais surpresas e mudanças na forma como nos vemos no universo"; "tirou-nos certamente do mundo fechado da Idade Média para o vasto universo de hoje". Não pára. Talvez por isso seja a mais revolucionária de todas as ciências, onde apostamos a fé no que ainda nos pode revelar, mesmo quando não percebemos os conceitos, mesmo que fiquemos mais confundidos com ideias como o futuro, o passado, o tempo ou as distâncias.

O conhecimento que Galileu proporcionou não se cansa de expandir. "Vamos ver coisas extraordinárias", defende Henrique Leitão. Mais do que agradecer ao astrónomo que foi perseguido pelas suas descobertas pela "inteligência das coisas" que nos deu, como fez António Gedeão no seu Poema para Galileu, vale a pena celebrar a janela que abriu apenas com um instrumento e o seu génio. "O futuro vai fazer-nos surpreender como as pessoas do século XVII foram surpreendidas com Galileu; a ciência é hoje tão fascinante como em 1609."

Curso de Astronomia no Centro de Interpretação Ambiental de Leiria

Informação recebida via e-mail:

Informa-se que, ainda, se encontram abertas as inscrições para Curso de Astronomia.


Descrição do Curso

- As temáticas abordam as origens da Astronomia, a observação do céu e o uso de cartas celestes e telescópios;

- Haverá também uma sessão prática de observação nocturna ao telescópio;

- Não são necessários requisitos mínimos para frequentar o curso, sendo este aberto a qualquer pessoa interessada;

- No final do curso é atribuído um Certificado de Participação e um CD com a apresentação de todas as aulas e o mais recente software de Astronomia



Formador

O curso será leccionado pelo astrónomo José Augusto Matos (FISUA – Associação de Física da universidade de Aveiro), formador e divulgador na área da astronomia.



Público Alvo

Maiores de 12 anos



Calendarização

5 de Setembro das 15h00 às 19h00, 12 de Setembro das 15h00 às 19h00 e 19 de Setembro das 16h00 às 20h00 e das 21h30 às 00h30



Local

Centro de Interpretação Ambiental de Leiria



Limite de inscrição

Mínimo de 24

Máximo de 30



Custo da Inscrição

€30,00



Inscrições

Centro de Interpretação Ambiental

Câmara Municipal de Leiria

Largo da República, nº 1

2414-006 Leiria

Telefone: 244 845 651

E-mail: cia@cm-leiria.pt

20 agosto, 2009

Mini-formação sobre Observação Astronómica - fotos

Como aqui referimos anteriormente, no passado dia 13.08.2009, 5ª-feira, fizemos uma mini-formação, na Escola Correia Mateus (Leiria), sobre observação astronómica, com componente teórica (uso do programa SkyMap Pro 11) e componente teórica (utilização de telescópios).

Compareceram 7 pessoas, o que foi para nós uma surpresa... A Vera Ferreira (minha ex-aluna e actualmente no 3º Ano de Biologia da Universidade de Aveiro) trouxe quatro monitores de Campos de Férias da Caritas de Leiria e a sua irmã Margarida, fotógrafa de serviço e minha actual aluna de 7º Ano (passou para o 8º) e veio ainda uma professora de Físico-Químicas da Marinha Grande (a Ana Maria Santos, que já foi minha formanda numa Acção de Astronomia).

Deu para trabalhar com um Telescópio, ver algumas apresentações multimédia (que cedi aos participantes, tal como outros materiais...) e ainda trabalhar com o software SkyMap Pro 11.

E agora algumas fotos:









15 agosto, 2009

Astrofesta na Várzea em 30.05.2009

No passado dia 30 de Maio de 2009 participei numa actividade muito interessante, organizada pelo Museu Etnográfico do Freixial e pela Escola EB 1 da Várzea: uma visita ao Museu, um Jantar volante, uma observação astronómica (feita por mim e pelo colega Paulo Simões) e visita à exposição dos trabalhos dos alunos dessa Escola.

Algumas fotos, enviadas pela minha aluna Margarida Ferreira:











12 agosto, 2009

As Perseidas no Google


Hoje o Google está recordar, com o seu Google Doodle de hoje, que as Perseidas, a mais importante Chuva de Estrelas, está aí.

O nosso povo chama-lhes, simplesmente, Lágrimas de S. Lourenço. Basta ir para um local escuro, sem obstáculos para Norte e olhar nessa direcção para, pouco a pouco, ver estas famosas estrelas cadentes. E, se não as viram hoje, amanhã ainda é noite para tal - alguns dias antes e depois do pico máximo (12 de Agosto) tem ainda bastantes meteoros visíveis...

11 agosto, 2009

Mini-formação sobre Observação Astronómica em Leiria


No próximo dia 13.08.2009, 5ª-feira, das 20.30 às 24.00 horas, na Escola Correia Mateus (Leiria) iremos fazer uma mini-formação sobre observação astronómica, com componente teórica (uso do programa SkyMap Pro 11) e componente teórica (utilização de telescópios).

Haverá disponibilização de software, materiais de apoio e diploma - se houver interessados devem contactar o coordenador do Núcleo de Astronomia Galileu Galilei, da Escola Correia Mateus em Leiria, via e-mail (fernando.oliveira.martins-arroba-gmail.com), indicando nome, instituição e conhecimentos de Astronomia.

05 agosto, 2009

Hoje à noite há Eclipse Penumbral da Lua

Embora o eclipse quase não seja visível, esta noite há um eclipse penumbral da Lua (isto é, a Lua passa pela penumbra da Terra, pelo que quase não se vê o eclipse).

Segundo Observatório Astronómico de Lisboa, os dados do Eclipse penumbral da Lua, em 5-6 de Agosto:
  • A Lua entra na penumbra no dia 5 às 23.01 horas
  • Meio do eclipse no dia 6 às 00.39 horas
  • A Lua sai da penumbra no dia 6 às 02.17 horas
  • Grandeza penumbral do eclipse = 0.428, considerando o diâmetro da Lua como unidade
Mais dados, da página da NASA sobre Eclipses, AQUI.