26 agosto, 2010

Jupiter, 25 Ago @f/30

Continuando com os testes ao novo ccd da DMK21, agora com uma distância focal de 8400mm (f/30).
Clicar em "detalhes" para informações sobre a captura da imagem.


Detalhes
_____________________________
http://myskyatnight.blogspot.com/

Um interessante sistema estelar...

A 127 anos-luz da Terra
Descoberto o sistema solar mais parecido com o nosso 


A representação artística do sistema solar agora descoberto (ESO/L. Calçada)

Tem sete planetas em órbita, um é rochoso e pouco maior do que a Terra e está a 127 anos-luz de distância. É o sistema solar mais parecido com o nosso descoberto até agora, anunciou hoje uma equipa internacional de caçadores de planetas extra-solares — de que os portugueses Alexandre Correia, da Universidade de Aveiro, e Nuno Santos, do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, fazem parte.

“Só tem menos um planeta do que o nosso sistema solar. Desde 2006, Plutão é um planeta-anão, como o asteróide Ceres”, sublinha Alexandre Correia, que com este anúncio recebeu uma prenda de aniversário antecipada. Amanhã faz 35 anos.

Para cinco dos planetas, gasosos como Neptuno, os cientistas têm provas fortes da sua existência, segundo os resultados apresentados numa conferência em França, no Observatório de Haute-Provence. Para os restantes dois, há indícios: um será semelhante a Saturno, o outro será o mais pequeno detectado até ao momento. A confirmar-se o tamanho, tem apenas 1,4 vezes a massa da Terra.

Ao longo de seis anos, os cientistas acompanharam uma estrela, conhecida por HD 10180, na constelação da Hidra, com observações num telescópio do Observatório Europeu do Sul (ESO) em La Silla, no Chile. Na equipa estão dois grandes caçadores de planetas, Michel Mayor e Didier Queloz, do Observatório de Genebra, na Suíça, que descobriram o primeiro planeta extra-solar em 1995 e causaram furor mundial. Nuno Santos, de 36 anos, há muito que colabora com a equipa da Suíça.

Desde 1995 já foram detectados mais de 500 planetas. Conhecem-se 15 sistemas solares com pelo menos três planetas. O recorde anterior era um sistema solar com cinco planetas.

Um aparelho de grande precisão instalado no telescópio foi registando movimentos minúsculos da estrela HD 10180, ora para a frente, ora para trás, que a atracção gravitacional de planetas em seu redor causaria. Foi dessa forma que se obtiveram sinais fortes da presença de cinco planetas, com 13 e 25 vezes a massa da Terra, e que demoram entre seis e 600 dias terrestres a completar uma órbita à estrela.

Rochoso mas sem vida
No caso dos dois planetas de que há indícios, o que é idêntico a Saturno atinge 65 vezes a massa da Terra e está mais afastado da estrela: é preciso que passem 2200 dias para completar uma volta. Em contrapartida, o que é pouco maior do que o nosso planeta situa-se tão perto da estrela que o faz apenas em pouco mais de 28 horas. Um ano lá é pouco mais do que um dia na Terra.

“Está mesmo em cima da estrela, está mais perto do que Mercúrio do Sol. Não pode ter vida, isso está completamente fora de questão”, diz Alexande Correia.

E é sólido? “Para ser deste tamanho, tem de ser rochoso.” Segundo os modelos sobre a formação de planetas, até cinco massas da Terra considera-se que é rochoso. “A partir daí, passa a ser gasoso. Tem gravidade suficiente para ter uma atmosfera tão grande como Júpiter ou Saturno”, responde o astrofísico.
Outro aspecto interessante é o da distribuição dos sete planetas pelo sistema solar, obedecendo a uma lei semelhante à que se encontra no nosso sistema solar (a lei de Titius-Bode): cada planeta está quase ao dobro da distância do anterior, explica um comunicado da Universidade de Aveiro.

“Esta descoberta extraordinária também enfatiza o facto de estarmos a entrar numa nova era da investigação de exoplanetas: o estudo 
de sistemas planetários complexos e não apenas de planetas individuais”, comenta Christophe Lovis, 
do Observatório de Genebra, que é o primeiro autor do artigo científico sobre a descoberta, a publicar na revista "Astronomy and Astrophysics".
“Os estudos dos movimentos planetários no novo sistema revelam interacções gravitacionais complexas entre os planetas e dão informações sobre a evolução do sistema a longo prazo”, refere Lovis, citado numa nota do ESO.

Pode ainda não ter sido desta vez que se encontrou uma cópia perfeita do nosso sistema solar, incluindo um planeta rochoso a uma distância da estrela que permita a vida. Mas esse momento parece aproximar-se.

Jupiter, 25 Ago

Estas férias chegaram com especial ansiedade: seria em Agosto que iria conseguir trocar o CCD da minha DMK21AF pelo novo icx618ALA, muito mais sensível e com resultados já comprovados por outros astrofotógrafos.
Finalmente consegui uma noite de feição, que permitiu estrear a "nova" DMK.
Equipamento utilizado:
C11, Powermate 2x, filtros RGB Astronomik IIc, DMK21AF modificada (icx618ALA)

24 agosto, 2010

Ou a Lua encolheu ou...

A Nasa descobriu que o diâmetro da Lua diminuiu 100 metros


Segundo Thomas Watters, do Centro de Estudos Planetários e da Terra do Museu do Ar e Espaço do Smithsonian, ao analisar as imagens proporcionadas pelo orbitador eles descobriram "falhas" na crosta lunar até agora nunca vistas.
Watters explicou que as imagens que se tinha da Lua até agora não permitiam detectar que o satélite se "contraiu cerca de 100 metros" em seu diâmetro em um passado que o cientista considera "recente", embora remeta a 1 bilhão de anos atrás.
Esta descoberta proporciona chaves importantes para estudar a geologia da Lua e a evolução tectônica recente, dizem os pesquisadores.
A Lua se formou em um ambiente caótico de intenso bombardeio por asteróides e meteoritos, há 4,5 bilhões de anos, explica a Nasa.
A Lua se formou em um ambiente caótico de intenso bombardeio por asteróides e meteoritos, há 4,5 bilhões de anos, explica a Nasa.
Estes choques, junto com a desintegração de elementos radioativos, fizeram com que a Lua fosse um corpo quente que posteriormente se esfriou.
"Estes incríveis resultados sublinham a importância de observar globalmente para entender os processos globais", disse John Keller, o subdiretor do projeto de reconhecimento lunar da Nasa no centro de voos espaciais Goddard, em Greenbelt (Maryland).
"Enquanto o projeto está em uma nova fase, com ênfase em medições científicas e nossa habilidade de fazer um inventário dos traços da Lua, será uma poderosa ferramenta para entender a história da Lua e do sistema solar", acrescentou.
O orbitador LRB foi lançado ao espaço em junho do ano passado.

23 agosto, 2010

Estamos a ficar velhos (para isto...)

Investigação publicada ontem
Sistema solar ‘envelhece’ dois milhões de anos


Análise de restos minerais de um meteorito revelou novos dados

A análise dos restos minerais de um meteorito encontrado no noroeste de África revelou que o sistema solar poderá ter-se originado dois milhões de anos antes do que se pensava, segundo um artigo publicado na revista ‘Nature’.

Os minerais do meteorito são os restos sólidos mais antigos encontrados até agora e crê-se que se formaram logo após o nascimento do Sol, de modo que a análise pode fornecer dados mais precisos sobre a formação do sistema solar.

Segundo a investigação da Universidade de Arizona, EUA, a formação do sistema solar teria acontecido há 4568,2 milhões de anos, entre 300 mil e 1,9 milhões de anos antes do que se pensava. Os cientistas Audrey Bouvier e Meenaskshi Wadhwa, que coordenaram a investigação, utilizaram a técnica dos isótopos, empregada em geologia para determinar a idade de restos de fósseis.

in CM - ler notícia

15 agosto, 2010

Perseidas - fotos de um grupo em Leiria

Depois de uma observação falhada, pelo mau tempo, em 12.08.2010, na noite de 13 para 14 de Agosto fui com um grupo de sete magníficos resistentes à Senhora do Monte (Cortes - Leiria) para observar as Perseidas. Céu magnífico e mais de uma dezena de boas estrelas cadentes observados...!

Para memória futura, aqui ficam duas fotos do grupo:


13 agosto, 2010

Observação das Perseidas - segunda tentativa

Vamos hoje fazer, no mesmo local de ontem, uma segunda observação da grande chuva de estrelas de Agosto - as Perseidas.

Ontem a coisa não correu bem - havia nevoeiro e nuvens altas que levaram os oito resistentes a desistir, após uma mudança de local sem grandes efeitos.

Assim partiremos em comitiva da Travessa da Rua das Olhalvas e estaremos, a partir das 23.00 horas, na Senhora do Monte, fazendo o seguinte trajecto:


12 agosto, 2010

Ver as Perseidas em Leiria

Hoje há uma das mais bonitas Chuvas de Estrelas - as Perseidas. Eu vou vê-las à Senhora do Monte, em Leiria e estarei lá para explicar o que se vê - ver onde aqui:


Ver mapa maior

10 agosto, 2010

A importância científica de São Lourenço, recordada no seu dia

Post em estereofonia com o Blog Geopedrados:


(imagem daqui)

Segundo a Igreja Católica, hoje é a data do martírio de São Lourenço de Huesca:

Lourenço de Huesca ou São Lourenço (Huesca ou Valência, Espanha, 225? — Roma, 10 de Agosto de 258) foi um mártir católico e um dos sete primeiros diáconos (guardiões do tesouro da Igreja) da Igreja Cristã, sediada em Roma.
O cargo de diácono era de grande responsabilidade, pois consistia no cuidado dos bens da Igreja e a distribuição de esmolas aos pobres. No ano 257 Valeriano decretou a perseguição dos cristãos e, ao ano seguinte, foi detido e decapitado o Papa Sisto II.
Segundo as tradições, quando o Papa São Sixto se dirigia ao local da execução, São Lourenço ia junto a ele e chorava. "Aonde vai sem o seu diácono, meu pai?", perguntava-lhe. O Pontífice respondeu: "Não penses que te abandono, meu filho, pois dentro de três dias me seguirás".
Após a execução do Papa, o imperador ameaçou a Igreja para entregar as suas riquezas no prazo de 3 dias. Passados três dias, São Lourenço levou as pessoas que foram auxiliadas pela Igreja e os fiéis cristãos diante do imperador. Depois, exclamou a seguinte frase que lhe valeu a morte: "Estes são o património (riquezas) da Igreja". O imperador, furioso e indignado, mandou prendê-lo, e ser queimado vivo sobre um braseiro ardente, por cima de uma grelha. 


Segundo a sabedoria popular, este é um dia para ver como está a vinha (assunto que muito interessa, por motivos óbvios, a geólogos...) - Pelo São Lourenço, vai à vinha e enche o lenço, diz o ditado. Mas o povo, comovido com as lágrimas de Lourenço, despedindo-se do seu chefe espiritual, diz que essas lágrimas são visíveis no céu esta noite e nas seguintes - são as famosas Lágrimas de São Lourenço...

Embora hoje lhes chamemos de Perseidas, há esta bonita estória que devemos recordar - e amanhã falaremos mais deste assunto...!

 (imagem daqui)