31 janeiro, 2009

Música com Astronomia

Aqui fica uma excelente canção para celebrar o Rock & Roll e o Ano Internacional da Astronomia...

26 janeiro, 2009

O Ano Internacional da Astronomia - comemorações portuguesas

Astrónomos amadores e profissionais unem esforços para um Ano Internacional de Astronomia memorável

— 300 iniciativas estão já agendadas em todo o País. Funchal vai ter desfile de Carnaval temático

O Ano Internacional de Astronomia começa oficialmente em Portugal no próximo Sábado, mas o envolvimento já é forte. De Norte a Sul do país, na Madeira e nos Açores, está tudo a posto para transformar 2009 num ano inesquecível. No total, estão actualmente agendadas 300 iniciativas, um número que, segundo os responsáveis da Comissão Nacional do AIA2009, vai chegar às mil até ao final do ano. Duas centenas e meia de instituições já se associaram às diferentes actividades, entre escolas, autarquias e centros de ciência.

"O Ano Internacional de Astronomia é para nós o culminar de dois anos e meio de trabalho", sublinha Miguel Avillez, presidente da Sociedade de Portuguesa de Astronomia, que está na base do plano nacional do AIA. Além das actividades globais que vão também ter lugar no território nacional, como as "100 Horas de Astronomia" em Abril, ou a exposição "Da Terra ao Universo", cujos cartazes com imagens astronómicas já podem ser vistos em espaços públicos em Tavira e brevemente no Porto, Viana do Castelo e Coimbra, a comissão científica do Ano Internacional apadrinha uma dezena de projectos.

A "Noite da Astronomia", marcada a 15 de Julho, promete ser o grande evento do ano, com iniciativas em todos os distritos de Portugal. Mas não só. O "E agora sou Galileu" vai recriar ao longo do Ano e em todo o país as observações de uma das figuras que revolucionaram a ciência. O desafio de "Astronomia Artística" desenvolvido na Madeira por Fernanda Freitas visa, por exemplo, promover o diálogo entre a ciência e as artes. "O céu é o mesmo para todos", refere João Fernandes, Presidente da Comissão Nacional AIA2009, justificando a transversalidade das actividades que existem a nível mundial e nacional.

Mas as boas ideias não acabam com o empenho da Comissão. Um desfile de Carnaval, no Funchal, dedicado à Astronomia, um encontro de Astronomia com Gastronomia (Exploratório de Coimbra), um acampamento com as estrelas (Centro de Multimeios - Espinho), Astrofestas (Braga, Constância)... A lista já é longa, mas o objectivo é sempre o mesmo, convidar pequenos e graúdos a olhar por uma luneta e a descobrir o Universo.

"Os astrónomos portugueses têm uma responsabilidade acrescida, frisa Pedro Russo, coordenador internacional do Ano Internacional de Astronomia, "porque existe mais apetência pela ciência astronómica por parte do jovens portugueses do que em média no resto do mundo". O comissário global do AIA mostrou-se bastante satisfeito com o programa português apresentado este fim-de-semana no Centro Multimeios de Espinho, programa que qualificou de "realista".

Pedro Russo não é ó único a representar Portugal no estrangeiro. Projectos nacionais já se exportaram para os quatro cantos do mundo, como aconteceu com o projecto "Alvorada AIA2009", encabeçado por Ricardo Cardoso Reis do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, que promoveu dia 1 de Janeiro observações solares em Portugal, mas também no Nepal, no Iraque e na Indonésia, ou com o "Descobre o teu Céu!", concurso lançado nos cinco continentes pelos Museus da Ciência das Universidades de Lisboa e Coimbra.

"Esperamos deixar frutos", conclui João Fernandes. Para todas as pessoas que procuram dar a conhecer o que se faz em Astronomia no país, o objectivo é o mesmo: que todas as iniciativas criadas e desenvolvidas no âmbito do Ano Internacional de Astronomia possam ter continuidade depois de Dezembro 2009.


CONTACTOS:

Comissão Nacional do AIA2009
João Fernandes
Telemóvel: 914 002 960
E-mail: jmfernan@mat.uc.pt



FOTOGRAFIA:

http://www.ideiasconcertadas.pt/images/clientes/AIA2009/foto003_jf_div.jpg
Legenda: João Fernandes, presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional de Astronomia (AIA2009)


IMAGENS

Logótipo AIA2009 (vertical, cores, JPEG): http://www.astronomy2009.org/static/resources/iya_logo.jpg

Logótipo AIA2009 (vertical, preto & branco, JPEG): http://www.astronomy2009.org/static/resources/iya_logo_final_b&w.jpg

Logótipo AIA2009 (horizontal, cores, JPEG): http://www.astronomy2009.org/static/resources/iya_logo_final_horizontal.jpg



INFORMAÇÃO ADICIONAL

AIA2009 website oficial: http://www.astronomy2009.org
AIA2009 website nacional: http://www.astronomia2009.org


DOSSIERS DE IMPRENSA AIA2009:

III Encontro “Astronomia e Ciências Espaciais 2009 – Comunicação e Educação
http://www.ideiasconcertadas.pt/images/clientes/AIA2009/dossierpress_encontroespinho.pdf

Contextualização AIA2009:
http://www.ideiasconcertadas.pt/images/clientes/AIA2009/dossierpress_contextualizacao.pdf

Preparação AIA2009:
http://www.ideiasconcertadas.pt/images/clientes/AIA2009/dossierpress_preparacaoaia2009.pdf

13 janeiro, 2009

Ano Internacional da Astronomia - Semana 3

Para celebrar este ano que esta noite se inicia, o Blog AstroLeiria teve a honra de colaborar na realização da Agenda Regional de Leiria, uma edição anual do semanário e jornal regional Região de Leiria, escolhendo uma imagem por semana para assinalar o Ano Internacional da Astronomia. Aqui fica a terceira:

Semana 3 - Ano Internacional de Astronomia


COMETA HALLEY

O cometa Halley deve o seu nome ao astrónomo Edmond Halley que percebeu que passava perto do Sol a cada 76 anos. É o mais famoso cometa.


Na imagem o cometa Halley – imagem da NASA (http://nssdc.gsfc.nasa.gov/photo_gallery/photogallery-comets.html)

11 janeiro, 2009

Ano Internacional da Astronomia - Semana 2

Como referimos anteriormente, o Blog AstroLeiria teve a honra de colaborar na realização da Agenda Regional de Leiria, uma edição anual do semanário e jornal regional Região de Leiria, escolhendo uma imagem por semana para assinalar o Ano Internacional da Astronomia (AIA). Aqui fica (bastante atrasada...) a segunda imagem:

Semana 2 - Ano Internacional de Astronomia

AIA E GALILEU

O Ano Internacional da Astronomia deve-se ao facto de se estarem a comemorar os 400 anos da invenção da luneta astronómica por Galileu Galilei.


Na imagem o Telescópio Harlan J. Smith, no Observatório McDonald, Texas (USA) – imagem da Wikimedia Commons (http://en.wikipedia.org/wiki/Image:USA_harlan_j_smith_telescope_TX.jpg)

Parabéns Sorumbático!

O Blog Sorumbático fez, no passado dia 5 de Janeiro, quatro anos. Um dos mais interessantes e divertidos blogues portugueses, tem, para com os seus leitores, uma atitude simpática, dando muitas prendas aos seus leitores atentos - dois elementos deste blog ganharam nesse dia dois excelentes livros do Doutor Galopim de Carvalho...!

Para além do seu principal responsável (Carlos Medina Ribeiro) tem imensos colaboradores (para além do Doutor Galopim de Carvalho, há ainda textos de António Barreto, Helena Roseta, Antunes Ferreira, Miguel Viqueira, Joaquim Letria, Maria Filomena Mónica, Pedro Barroso, Alfredo Barroso, J. L. Saldanha Sanches, Nuno Brederode Santos, Carlos Pinto Coelho, Carlos Barroco Esperança, Nuno Crato, Manuel João Ramos, Alice Vieira e Baptista-Bastos). Curiosamente alguns destes autores que publicam aqui os seus textos têm agora blogues semi-autónomos - como o Sopas de Pedra, de Galopim de Carvalho, Jacarandá, de António Barreto, Histórias de Chorar por Mais, de Joaquim Letria ou Traço Grosso, de Alfredo Barroso.

Ao Sorumbático os nossos parabéns e agradecimentos, pelos fantásticos posts que publicaram nos primeiros 4 anos de vida e pelos muitos mais ainda irão publicar!

Ano Internacional da Astronomia - The Movie

qual relógio de sol em tempo brusco...


Recebido via Internet:

2009 – "qual relógio de sol em tempo brusco"

Respigando os dados para Almanaques do Observatório Astronómico de Lisboa, e tomando como referência o calendário gregoriano, o dia 14 de Janeiro corresponde ao dia 1 de Janeiro do calendário juliano. O ano 2009 da era vulgar, ou de Cristo, é o 9.º do século XXI e corresponde ao ano 6722 do período juliano, contendo os dias 2 454 833 a 2 455 197. O ano 7518 da era bizantina começa no dia 14 de Setembro. O ano 5770 da era israelita começa ao pôr do Sol do dia 18 de Setembro. O ano 4646 da era chinesa (ano do búfalo) começa no dia 26 de Janeiro. O ano 2785 das Olimpíadas (ou 1º da 697ª), começa no dia 14 de Setembro, ao uso bizantino. O ano 2762 da Fundação de Roma "ab urbe condita", segundo Varrão, começa no dia 14 de Janeiro. O ano 2758 da era Nabonassar começa no dia 21 de Abril. O ano 2669 da era japonesa, ou 21 do período Heisei (que se seguiu ao período Xô-Uá), começa no dia 1 de Janeiro. O ano 2321 da era grega (ou dos Seleucidas) começa, segundo os usos actuais dos sírios, no dia 14 de Setembro ou no dia 14 de Outubro, conforme as seitas religiosas. O ano 2047 da era de César (ou hispânica), usada em Portugal até 1422, começa no dia 14 de Janeiro. O ano 1931 da era Saka, no calendário indiano reformado, começa no dia 22 de Março. O ano 1726 da era de Diocleciano começa no dia 11 de Setembro. O ano 1431 da era islâmica (ou Hégira) começa ao pôr do Sol do dia 17 de Dezembro.

Já se quiser ver o próximo eclipse total do sol, a 21-22 de Julho, terá que estar nessa altura na Índia, Nepal, China ou algures no Pacífico onde a sua "faixa de totalidade" passe. Isso faz-nos lembrar breu, penumbra sombra, luz, relógios de sol.

Em tempo de crise, nada melhor do que citar Joaquim Fortunato de Valadares Gamboa, poeta menor português que em 1791 dava à estampa em Lisboa o seguinte poema:

Que relógio de sol, que serventia
Ter não pode de alguma utilidade
Quando o dia está brusco, e na verdade
Ninguém faz dele caso nesse dia:
Assim se da pobreza a mão sombria
Faz no homem qualquer escuridade
Em lhe faltando do ouro a claridade
É dos outros desprezo e zombaria:
Dos planetas mais nobre é o sol louro;
O ouro dos metais; e está mais fusco,
Que relógio sem sol, homem sem ouro:
Disto exemplos alheios eu não busco;
pois me vejo que estou, com vil desdouro,
Qual relógio de sol em tempo brusco.

Pois que 2009 não seja um eclipse total e que a luz do sol volte depressa, dizemos nós.


08 janeiro, 2009

Galileu morreu faz hoje 367 anos


Citando a Wikipédia:

Galileu Galilei (em italiano Galileo Galilei, Pisa, 15 de fevereiro de 1564Florença, 8 de janeiro de 1642) foi um físico, matemático, astrónomo e filósofo italiano que teve um papel preponderante na chamada revolução científica.

Galileu Galilei desenvolveu os primeiros estudos sistemáticos do movimento uniformemente acelerado e do movimento do pêndulo. Descobriu a lei dos corpos e enunciou o princípio da inércia e o conceito de referencial inercial, ideias precursoras da mecânica newtoniana. Galileu melhorou significativamente o telescópio refractor e terá sido o primeiro a utilizá-lo para fazer observações astronómicas. Com ele descobriu as manchas solares, as montanhas da Lua, as fases de Vénus, quatro dos satélites de Júpiter, os anéis de Saturno, as estrelas da Via Láctea. Estas descobertas contribuíram decisivamente na defesa do heliocentrismo. Contudo a principal contributo de Galileu foi para o método científico, pois a ciência assentava numa metodologia aristotélica.

Desenvolveu ainda vários instrumentos como a balança hidrostática, um tipo de compasso geométrico que permitia medir ângulos e áreas, o termómetro de Galileu e o percursor do relógio de pêndulo. O método empírico, defendido por Galileu, constitui um corte com o método aristotélico mais abstracto utilizado nessa época, devido a este Galileu é considerado como o "pai da ciência moderna".


Neste Ano Internacional da Astronomia não poderíamos esquecer esta data - recordemos o grande homem que foi Galileu com um poema de António Gedeão:


Poema para Galileo

Estou olhando para o teu retrato, meu velho pisano,
aquele retrato que toda a gente conhece,
em que a tua bela cabeça desabrocha e floresce
sobre um modesto cabeção de pano.
Aquele retrato da Galeria dos Ofícios da tua velha Florença.
(Não, não, Galileo! Eu não disse Santo Ofício.
Disse Galeria dos Ofícios.)
Aquele retrato da Galeria dos Ofícios da requintada Florença.
Lembras-te? A Ponte Vecchio, a Loggia, a Piazza della Signoria...
Eu sei... Eu sei...
As margens doces do Arno às horas pardas da melancolia.
Ai que saudade, Galileo Galilei!
Olha. Sabes? Lá em Florença
está guardado um dedo da tua mão direita num relicário.
Palavra de honra que está!
As voltas que o mundo dá!
Se calhar até há gente que pensa
que entraste no calendário.

Eu queria agradecer-te, Galileo,
a inteligência das coisas que me deste.
Eu,
e quantos milhões de homens como eu
a quem tu esclareceste,
ia jurar – que disparate, Galileo!
– e jurava a pés juntos e apostava a cabeça
sem a menor hesitação –
que os corpos caem tanto mais depressa
quanto mais pesados são.

Pois não é evidente; Galileo?
Quem acredita que um penedo caia
com a mesma rapidez que um botão de camisa ou que um seixo da praia?

Esta era a inteligência que Deus nos deu.

Estava agora a lembrar-me, Galileo,
daquela cena em que tu estavas sentado num escabelo
e tinhas à tua frente
um friso de homens doutos, hirtos, de toga e de capelo
a olharem-te severamente.

Estavam todos a ralhar contigo,
que parecia impossível que um homem da tua idade
e da tua condição,
se estivesse tornando num perigo
para a Humanidade
e para a Civilização.
Tu, embaraçado e comprometido, em silêncio mordiscavas os lábios,
e percorrias, cheio de piedade,
os rostos impenetráveis daquela fila de sábios.

Teus olhos habituados à observação dos satélites e das estrelas,
desceram lá das suas alturas
e poisaram, como aves aturdidas – parece-me que estou a vê-las –,
nas faces grávidas daquelas reverendíssimas criaturas.
E tu foste dizendo a tudo que sim, que sim senhor, que era tudo tal qual
conforme suas eminências desejavam,
e dirias que o Sol era quadrado e a Lua pentagonal
e que os astros bailavam e entoavam
a meia-noite louvores à harmonia universal.
E juraste que nunca mais repetirias
nem a ti mesmo, na própria intimidade do teu pensamento, livre e calma,
aquelas abomináveis heresias
que ensinavas e escrevias
para eterna perdição da tua alma.
Ai, Galileo!
Mal sabiam os teus doutos juizes, grandes senhores deste pequeno mundo.
que assim mesmo, empertigados nos seus cadeirões de braços,
andavam a correr e a rolar pelos espaços
à razão de trinta quilómetros por segundo.
Tu é que sabias, Galileo Galilei.
Por isso eram teus olhos misericordiosos,
por isso era teu coração cheio de piedade,
piedade pelos homens que não precisam de sofrer, homens ditosos
a quem Deus dispensou de buscar a verdade.
Por isso estoicamente, mansamente,
resististe a todas as torturas,
a todas as angústias, a todos os contratempos,
enquanto eles, do alto inacessível das suas alturas,
foram caindo,
caindo,
caindo,
caindo,
caindo sempre,
e sempre,
ininterruptamente,
na razão directa dos quadrados dos tempos.

in Linhas de Força (1967)- António Gedeão

07 janeiro, 2009

A descoberta do satélites de Júpiter foi há 399 anos

Faz hoje 399 anos que Galileu Galilei se lembrou de apontar a sua fraca luneta para Júpiter e descobrir 3 (mais tarde quatro...) pequenas estrelinhas próximas - tinha descoberto os satélites ditos de Galileu.



Para ajudar, aqui fica cópia do registo original (em cima e em italiano) do grande cientista e foto dos seus satélites (em baixo, da esquerda para a direita, respectivamente - Io, Europa, Ganimedes e Calisto):

04 janeiro, 2009

5 anos de Espírito e Oportunidade em Marte

Spirit e Opportunity
Os dois robôs geólogos da NASA fazem hoje cinco anos a trabalhar em Marte
03.01.2009 - 10h14 Clara Barata

Não se esperava que os robôs durassem mais que três meses em Marte

Faz hoje cinco anos, e não havia unhas para roer que chegassem na NASA. Estava para aterrar o primeiro dos dois robôs geólogos que a agência espacial norte-americana estava a enviar para Marte, o Spirit. Passados 21 dias, devia aterrar o Opportunity. Se algo corresse mal, seria um falhanço duplo.

Mas não, foi um sucesso retumbante, e os dois robôs já levam cinco anos a funcionar na superfície do planeta vermelho - quando as previsões iniciais apontavam para apenas três meses. "Os gémeos já trabalharam 20 vezes mais. É um lucro extraordinário para o investimento feito, uma boa notícia nestes tempos de orçamentos magros", comentou Ed Weiler, administrador adjunto da NASA para a Ciência, citado num comunicado.

Os olhos da Terra estavam postos em Marte nesse dia 3 de Janeiro de 2004. Sobretudo depois do fiasco na noite de Natal de 2003 da Agência Espacial Europeia: a sonda Beagle, que devia ir procurar sinais de vida em Marte, desapareceu sem nunca mais dar sinal. Um estudo publicado agora, em Dezembro, estima que a sonda europeia deve ter ardido ao entrar na atmosfera marciana, devido a um erro nos cálculos dos cientistas.

Mas o Spirit e o Opportunity fizeram esquecer o falhanço da Beagle. Durante estes cinco anos, fizeram descobertas importantes sobre o passado da água em Marte (em estado líquido) e sobre as condições ambientais que o planeta viveu em tempos passados. Sempre a andar muito devagarinho.

Ao todo, os robôs percorreram mais de 21 quilómetros (qualquer erro pode ser fatal, como uma derrapagem que os faça capotar, por exemplo), recolheram mais de 250 mil imagens e 36 mil gigabytes de dados, subiram a uma colina e desceram para dentro de crateras, lutaram para se libertar de areias, enfrentaram os problemas causados pelo desgaste dos materiais de que são feitos - enfim, são pequenos heróis. E a NASA continua a ter planos para eles: pelo menos quatro novas missões. O Spirit é o que está em piores condições, pois os seus painéis solares não são bem limpos da poeira marciana.

in Público - Ler notícia

01 janeiro, 2009

Poema de Natal



A minha Estrela

Zangadas com a Lua
as estrelas
vieram morar
na minha rua.

Digo-lhes adeus, da janela
e namoro-as da minha varanda,
deixando todos de cara à banda.

(Eu já lhes tinha contado
que eu co'as Estrelas...
...É o meu fado)

Ontem, a Estrela mais brilhante
correu, a afagar-me os cabelos,
a ranhar-me as costas
que bom! por um instante.

Depois agachou-se no meu regaço
desfez-me o laço
e ficou a dormir
e a sorrir!...

Manhã alta, acordou,
em aflição.
Sim, em aflição,
de mão no coração.

- Ai o Jesus!...
- O que foi?!
- Tu não sabes que tenho que ir a Belém,
acordar os Pastores,
os meus Amores
e guiar os Reis?!...

E olha que sou eu...
... eu que aqueço o Menino.
(E essa história da vaca
e do burrinho
é mentira pegada)

O José também ajuda,
que, lá bom Pai, ele é.
- Então, e a Mãe Maria?!...
- Essa, coitadinha,
tem que ir lavar a roupinha,
que eu isso não posso fazer
por causa da água.
Morria logo afogada.

Eu só sei
aquecer e dar luz;
e gritar ao Mundo
que nasceu J E S U S.



Com muitas estrelinhas
a iluminar
o vosso Natal
e o ano que vai começar.

Maria Alice - Natal de 2008