25 fevereiro, 2007

Actividade em Alcobaça

O Professor Doutor Jorge Dinis, do Departamento de Ciências da Terra (da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra) irá, no sábado, dia 3 de Março de 2007, no Centro de Estudos Superiores - Praça 25 de Abril, n.º 75 (vulgo Rossio), em Alcobaça, pelas 15.00 horas, dar uma Conferência, sobre Ritmos Solares: o Clima, a ocupação humana e o assoreamento das lagunas da Pederneira, Alfeizerão e Óbidos.



Não faltem...!

PS - à tarde vão a Alcobaça (e podem ir a Óbidos ou Alfeizerão, por outros motivos...) e à noite aparecem na nossa observação astronómica, no antigo Liceu de Leiria, do Eclipse Total da Lua...

24 fevereiro, 2007

Eclipse Total da Lua em Leiria

XXXIV Astrofesta das Escolas de Leiria - Observação Astronómica do Eclipse Total da Lua (3 de Março de 2007)

(Clicar para aumentar)

Depois de algumas negociações, foi decidido realizar a observação do Eclipse, com a participação de todas as Escolas interessadas, no recinto da Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo, no dia 03.03.2007, sábado, das 21.30 às 01.30 horas. Todos são bem vindos e gostaríamos que trouxessem o vosso material de observação astronómica - binóculos, lunetas ou telescópios - bem como divulgassem a actividade nas vossas Escolas, nos vossos locais de trabalhos, nos meios de comunicação, etc.

Haverá, em conjunto com a observação, actividades extra (apresentações multimédia, actividades na Internet, astrofotografia, etc.), pedindo-se apenas às pessoas interessadas que façam uma pré-inscrição na actividade.

Link para o Cartaz - AQUI.
Mapa do Local - AQUI.
Página da NASA sobre o Eclipse - AQUI.

Homenagem a Zeca Afonso e à Galiza

Depois de umas belíssimas férias na Galiza, aqui fica um filme do YouTube, sobre Santiago de Compostela, com a música Verdes são os Campos (letra de Luís de Camões) do nosso Zeca Afonso...




Rómulo de Carvalho - 10 anos após...


Faz hoje 10 anos que Rómulo de Carvalho/António Gedeão nos deixaram...

Aqui ficam dois poemas para recordar a data:

SAUDADES DA TERRA

Uns olhos que me olharam com demora,
não sei se por amor se caridade,
fizeram me pensar na morte, e na saudade
que eu sentiria se morresse agora.

E pensei que da vida não teria
nem saudade nem pena de a perder,
mas que em meus olhos mortos guardaria
certas imagens do que pude ver.

Gostei muito da luz. Gostei de vê la
de todas as maneiras,
da luz do pirilampo à fria luz da estrela,
do fogo dos incêndios à chama das fogueiras.
Gostei muito de a ver quando cintila
na face de um cristal,
quando trespassa, em lâmina tranquila,
a poeirenta névoa de um pinhal,
quando salta, nas águas, em contorções de cobra,
desfeita em pedrarias de lapidado ceptro,
quando incide num prisma e se desdobra
nas sete cores do espectro.

Também gostei do mar. Gostei de vê lo em fúria
quando galga lambendo o dorso dos navios,
quando afaga em blandícias de cândida luxúria
a pele morna da areia toda eriçada de calafrios.

E também gostei muito do Jardim da Estrela
com os velhos sentados nos bancos ao sol
e a mãe da pequenita a aconchegá la no carrinho e a adormecê la
e as meninas a correrem atrás das pombas e os meninos a jogarem ao futebol.

À porta do Jardim, no inverno, ao entardecer,
à hora em que as árvores começam a tomar formas estranhas,
gostei muito de ver
erguer se a névoa azul do fumo das castanhas.

Também gostei de ver, na rua, os pares de namorados
que se julgam sozinhos no meio de toda a gente,
e se amam com os dedos aflitos, entrecruzados,
de olhos postos nos olhos, angustiadamente.

E gostei de ver as laranjas em montes, nos mercados,
e as mulheres a depenarem galinhas e a proferirem palavras grosseiras,
e os homens a aguentarem e a travarem os grandes camiões pesados,
e os gatos a miarem e a roçarem se nas pernas das peixeiras.

Mas... saudade, saudade propriamente,
essa tenaz que aperta o coração
e deixa na garganta um travo adstringente,
essa, não.

Saudade, se a tivesse, só de Aquela
que nas flores se anunciou,
se uma saudade alguém pudesse tê la
do que não se passou.
De Aquela que morreu antes de eu ter nascido,
ou estará por nascer – quem sabe? – ou talvez ande
nalgum atalho deste mundo grande
para lá dos confins do horizonte perdido.

Triste de quem não tem,
na hora que se esfuma,
saudades de ninguém
nem de coisa nenhuma.



AUTOBIOGRAFIA

Enquanto comia
num gesto tranquilo,
comia e ouvia
falar se daquilo.

Dormia e ouvia
solicitamente,
como se presente
presente estaria.

E enquanto comia,
comia e ouvia,
a frágil menina
que no fundo habita,
que chora e que grita
saía de mim.

Saía de mim
correndo e chorando
num gesto revolto,
cabelinho solto,
roupa esvoaçando.

Ia como louca,
chorava e corria,
enquanto eu metia
comida na boca.

Fugia lhe a estrada
debaixo dos pés,
a estrada pisada
que o luzeiro doira,
serpentina loira
que vai ter ao mar.

Corria a menina
de braços erguidos,
seus brancos vestidos
pareciam luar.

Por dentro ia a noite,
por fora ia o dia.
A vida estuava,
a maré subia.

Caiu a menina
na praia amarela,
logo um modelo de algas
se apoderaram dela.

Se apoderou dela
carinhosamente,
que as algas são gestos
mas não são de gente.

Caiu e ficou se
deitada de bruços,
desfeita em soluços
sem forma nem lei.

Ò minha águazinha
faz com que eu não sinta,
faz com que eu não minta,
faz com que eu não odeie!

Águazinha querida,
compromisso antigo,
dissolve me a vida,
leva me contigo.

Leva me contigo
no berço das algas;
que o sal com que salgas
seja o meu vestido.

Ficou se a menina
desfeita em soluços,
seu corpo, de bruços,
com o mar a cobri lo,
enquanto eu, sentado,
sentado comia,
comia e ouvia,
falar se daquilo.


Caricatura - Desenhos do Rui

23 fevereiro, 2007

Zeca Afonso - 20 anos de saudade...



Achégate a mim, Maruxa



Achégate a mim, Maruxa
chégate ben, moreniña
quérome casar contigo
serás miña mulleriña

Adeus, estrela brilante
compañeiriña da lua
moitas caras teño visto
mais como a tua ningunha

Adeus lubeiriña triste
de espaldas te vou mirando
non sei que me queda dentro
que me despido chorando


Maria



Maria
Nascida no monte
À beira da estrada
Maria
Bebida na fonte
Nas ervas criada

Talvez
Que Maria se espante
De ser tão louvada
Mas não
Quem por ela se prende
De a ver tão prendada

Maria
Nascida do trevo
Criada na trigo
Quem dera
Maria que o trevo
Casara comigo

Prouvera
A Maria sem medo
Crer no que lhe digo
Maria
Nascida no trevo
Beiral do mendigo
Maria
Nascida no trevo
Beiral do mendigo

Maria
De todas primeira
De todas menina
Maria
Soubera a cigana
Ler a tua sina

Não sei
Se deveras se engana
Quem demais se afina
Maria
Sol da madrugada
Flor de tangerina
Maria
Sol de madrugada
Flor de tangerina


Canção do Mar



Ó mar
Ó mar
Ó mar profundo
Ó mar
Negro altar
Do fim do mundo

Em ti nasceu
Ó mar
A noite que já morreu
O teu olhar

Ó mar
Ó mar
Ó mar profano
Ó mar
Verde mar
Em que me irmano

Em ti nasceu
Ó mar
A noite que já morreu
No teu olhar



Coro dos Caídos



Cantai bichos da treva e da aparência
Na absolvição por incontinência
Cantai cantai no pino do inferno
Em Janeiro ou em maio é sempre cedo
Cantai cardumes da guerra e da agonia
Neste areal onde não nasce o dia

Cantai cantai melancolias serenas
Como o trigo da moda nas verbenas
Cantai cantai guizos doidos dos sinos
Os vossos salmos de embalar meninos
Cantai bichos da treva e da opulência
A vossa vil e vã magnificência

Cantai os vossos tronos e impérios
Sobre os degredos sobre os cemitérios
Cantai cantai ó torpes madrugadas
As clavas os clarins e as espadas
Cantai nos matadouros nas trincheiras
As armas os pendões e as bandeiras

Cantai cantai que o ódio já não cansa
Com palavras de amor e de bonança
Dançai ó parcas vossa negra festa
Sobre a planície em redor que o ar empesta
Cantai ó corvos pela noite fora
Neste areal onde não nasce a aurora


Ali está o rio



Ali está o rio
Dois homens na margem estão
Se um dá um passo o outro hesita
Será um valente? O outro não?

Bom negócio faz um deles
Tem o triunfo na mão
Do outro lado do rio
Só um come o fruto, o outra não

Ao outro passo o p'rigo
Novos castigos virão
Se ambos venceram o rio
Só um tubo ganha o outro não

Na margem já conquistada
Só um venceu a valer
Perdeu o outro a saúde
Mas nada ganhou pra viver

Quem diz "nós" saiba ver bem
Se diz a verdade ou não
Ambos vencemos o rio
A mim quem me vence é o patrão

18 fevereiro, 2007

Palestra sobre o Eclipse de 3 de Março

Terá lugar na FNAC do Colombo, em Lisboa, no dia 22 de fevereiro ás 21:00, e será ministrada por Rosa Doran, do NUCLIO.

15 fevereiro, 2007

A NASA mostra Geologia Planetária...

Da mailing-list da GEOPOR recebemos, do Professor Doutor Paulo Legoinha, um e-mail com material muito interessante, que passamos a divulgar...


A informação disponibilizada aos internautas p
ela NASA tem acompanhado a evolução das TIC.

Divulgo 2 vídeos multimédia, para ver e escutar directamente a partir do browser, onde se evidencia o carácter geológico da pesquisa espacial: “I think we’ve gonne from Mars being a place that’s star-like, that’s other wordly, o
f the realm of astronomers, to a place that geologists and climatologists roam” (Albert Haldemann, cientista).

1) Vídeo “3 anos em Marte” - planícies de areia, esférulas de hematite, análise de composição mineralógica de rocha, e... curiosa simulação na Terra de uma duna arenosa marciana, para aprender mais sobre como tirar de lá o robô atascado:


http://www.jpl.nasa.gov/videos/mer/mer20070122/


2) Vídeo interactivo “Titan”, sobre a exploração da lua de Saturno – única lua com núvens, leitos de rio, lagos de metano...


http://saturn.jpl.nasa.gov/multimedia/flash/Titan/index.html

13 fevereiro, 2007

Formação em Astronomia da PT-HOU

Recebemos o seguinte e-mail, que muito nos agrada divulgar aqui - até porque estamos particularmente interessados em fazer esta formação e levar malta de Leiria a fazê-la...



Caros professores:

Vimos convidar-vos a participarem na próxima sessão de formação de Professores, nos dias 23 e 24 de Fevereiro de 2007, no Instituto Geográfico do Exército, em Lisboa.

O horário será:
- 6ª-feira, das 18h00 às 23h00;
- Sábado, das 8h00 às 18h00.

Esta sessão de formação incidirá somente em observações astronómicas com os telescópios Faulkes, Ironwood e webcams, e na utilização do SalsaJ para análise e composição de imagens.

Sexta-feira começaremos com o SalsaJ e com as webcams. Sábado de manhã observaremos com o Telescópio Ironwood, e no início da tarde, com o Faulkes Telescope. Apresentaremos ainda os projectos científicos que temos para oferecer aos professores que quiserem desenvolvê-los nas escolas, com os alunos.

Os professores interessados em participar podem inscrever-se enviando-nos um email, indicando se trazem ou não computador portátil (caso não tragam, teremos disponíveis PC's). Para quem venha de fora de Lisboa, podemos tentar ajudar as despesas de deslocação.

Fico aguardando a vossa resposta.

Um abraço,

Maria Luísa Teixeira de Almeida


PS- Temos planeada uma sessão de formação para 17 de Março (Sábado), que focará alguns dos exercícios do eu-hou que podem ser implementados na Sala de Aula.


PT-HOU - http://www.pt.euhou.net/
NUCLIO-Núcleo Interactivo de Astronomia - http://www.nuclio.pt/

Robôs em Marte continuam a trabalhar...


Sucesso tecnológico na investigação de Marte: os robôs geólogos (Oportunidade e Espírito) continuam a desempenhar a sua missão... e a estabelecer recordes!


O robot explorador "Opportunity" já percorreu dez quilómetros na superfície de Marte desde que chegou àquele planeta há três anos, informou hoje a NASA. O pequeno veículo de seis rodas independentes completou dez quilómetros na terça-feira, quando se deslocou 50,51 metros num terreno plano da cratera Vitória.

"Opportunity" e o robô gémeo "Spirit", que se encontra no extremo oposto do planeta, desceram em Marte em Janeiro de 2003 para estudar a sua superfície, atmosfera e geologia.

Previa-se que a missão dos dois exploradores durasse três meses e percorresse apenas 600 metros, mas têm continuado até agora a movimentar-se e a enviar informações e fotografias do planeta, apesar de algum desgaste das peças e de alguns problemas nas rodas.

in Ciência Hoje

Site Oficial - aqui

06 fevereiro, 2007

Congresso - Aprendizagem em Ambiente Formal e Informal

Aprendizagem em Ambiente Formal e Informal
Fundão, 29 e 30 de Março de 2007


Matemática | Biologia | Física
Escola Secundária com 3º C.E.B. do Fundão


Este é o segundo encontro de Aprendizagem em Ambiente Formal e Informal e o VIII Encontro de Professores organizado pela Universidade de Aveiro, este ano organizado por professores da Escola Secundária com 3º C.E.B. do Fundão.

Apela-se aos Professores, de todos os ciclos de Ensino, e Investigadores e comunicadores de ciência portugueses que se debruçam sobre estas questões que submetam os seus trabalhos ao VIII Encontro de Professores, dedicado à Aprendizagem Formal e Informal em Matemática, Física e Biologia, que decorrerá no Fundão e é organizado localmente pela Escola Secundária com 3º Ciclo.

Neste encontro pretende-se dar a conhecer as actividades que professores, dos vários graus de ensino, levam a cabo nas suas aulas. É um espaço dedicado à troca de experiências do melhor que se vai fazendo em Portugal. Este ano, o Encontro é dedicado às áreas da Matemática, Física e Biologia, no entanto são bem-vindas comunicações de outras áreas do saber desde que enquadradas nos objectivos do encontro.

Os tópicos sobre o qual devem incidir as comunicações são:
  1. Experiências de carácter pedagógico;
  2. Utilização da tecnologia no ensino;
  3. Módulos de exposições de ciência;
  4. Jogos de carácter pedagógico;
  5. Educação à distância;
  6. Comunidades WEB;
  7. Ensino prático e fora da sala de aula.
Mais informação em:
http://pmate.ua.pt

03 fevereiro, 2007

O acesso à literatura científica de fundos públicos

Cientistas portugueses defendem acesso à literatura científica de fundos públicos
Petição na Internet
02.02.2007 - 11h08 Lusa


Cerca de 700 académicos e cientistas portugueses aderiram à petição de apoio ao acesso livre à literatura científica europeia que a Comissão Europeia vai discutir em Bruxelas, disse hoje à Lusa fonte da Universidade do Minho.

O director do Centro de Documentação, Eloy Rodrigues, adiantou que a petição "apoia a proposta apresentada à Comissão Europeia [CE] para a disponibilização em acesso livre na Internet da literatura científica financiada publicamente".

Em Portugal, a petição já foi assinada pelo presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) e pelos reitores da Universidade do Minho e da Universidade do Porto.

Em termos europeus, a iniciativa foi subscrita por 14 mil pessoas em apenas 14 dias, entre as quais alguns laureados com o Prémio Nobel.

A petição conta, no entanto, com a oposição de editores de alguns jornais e revistas científicas, que dizem ter a sua sobrevivência ameaçada se a medida for aplicada, sublinhando que o mesmo pode acontecer a sociedades científicas.

Para além de assinaturas em nome individual, a petição online junta adesões institucionais de universidades, sociedades científicas, centros de investigação, fundações, academias, bibliotecas e departamentos governamentais.

Eloy Rodrigues salientou que entre os aderentes estão os vencedores do prémio Nobel Harold Varmus e Richard Roberts, "que juntaram a sua assinatura a cidadãos da Europa e do mundo exortando a União Europeia a adoptar politicas que garantam o acesso público livre aos resultados das investigações científicas e, assim, maximizem a visibilidade mundial da investigação europeia".

"Mais de 500 instituições na área da educação, investigação e cultura de todo o mundo também aderiram à iniciativa através da assinatura institucional pelos seus representantes máximos", adiantou.

A petição encoraja a União "a aceitar as recomendações delineadas no estudo EC-commissioned Study on the Economic and Technical Evolution of the Scien tific Publication Markets of Europe".

Publicado no início de 2006, este estudo apresentou um conjunto de recomendações no sentido de assegurar uma maior acessibilidade aos artigos científicos publicados.

A primeira recomendação apelava particularmente a "garantir o acesso público aos resultados de pesquisas financiadas publicamente pouco depois da sua publicação".

A petição está disponível na Internet em:
www.ec-petition.eu.

in Público - ver notícia.

01 fevereiro, 2007

1º de Fevereiro

Do Blog Geopedrados, com a devida vénia, retiramos o seguinte post, com poesia inédita de Pedro Luna:


Destino


Partiram, Pai e Filho,
trespassados por balas,
quando a Pátria lhes pedia tanto.
Ficou Manuel, sem saber o que o esperava...

Levaram-nos a Alma.
Prisioneiros, esperamos que Sebastião a devolva
em manhã de nevoeiro.

Nunca é a Hora?...

Cinco minutos dedicados à Terra - II

"Apagão" simbólico pode ser "mais um problema do que uma solução"
Ambientalistas da Quercus não vão aderir
01.02.2007 - 10h32 Ana Machado



Os cinco minutos de "apagão" simbólico marcados para hoje, às 18h55 (hora em Lisboa), em nome do clima do planeta, podem ser mais um problema do que uma solução, de acordo com a associação ambientalista Quercus.

Em declarações ao PUBLICO.PT, Francisco Ferreira afirma que, em termos práticos, a medida pode "provocar algum desequilíbrio na rede eléctrica", uma vez que a produção deve ser igual ao consumo: "Todo o sistema vai continuar a funcionar e durante cinco minutos isso vai ser ignorado, o que vai implicar desperdício de energia. Por isso esta medida é mais um problema do que uma solução".

A mesma explicação já tinha sido avançada ontem à agência Lusa por Amarante Santos, gestor de sistemas da Rede Eléctrica Nacional.

Para além das consequências práticas, Francisco Ferreira adianta que o significado filosófico da iniciativa, proposta pela organização francesa Aliança para o Planeta, não é eficaz: "Uma das principais medidas para combater o problema das alterações climáticas é reduzir o consumo de electricidade, mas essa redução tem de ser acompanhada pela prática de políticas de eficiência energética e, principalmente, de apoio às energias renováveis. E o sector que cresce mais continua ser o dos transportes".

A Quercus, bem como a rede europeia de associações ambientalistas a que pertence, não aderiu a esta iniciativa da Aliança para o Planeta. O mesmo foi decidido pela Greenpeace e pela WWF.

in Público - ver notícia

Cinco minutos dedicados à Terra...


A Aliança pelo Planeta (grupo francês de associações ambientalistas) lança um apelo simples a todos os cidadãos de se dedicarem por cinco minutos à Terra.

No dia 1 de Fevereiro todo o mundo apagará por 5 minutos suas lâmpadas e aparelhos eléctricos entre 19.55 e 20.00 horas.

Não se trata apenas de economizar electricidade nesse dia, mas também chamar a atenção da imprensa e daqueles que têm poder de decisão sobre o desperdício de energia e a urgência de agir! Cinco minutos de repouso para o Planeta Terra.

Não toma muito de nosso tempo, não custa nada, e isso mostrará (aos candidatos à presidência da França e também a outros candidatos e actuais presidentes de outros países) que a mudança climática é uma questão que deve ser levada em conta em qualquer decisão política.

Porque o dia 1 de Fevereiro? Neste dia será apresentado, na França, um relatório feito por um grupo de técnicos em climatologia da ONU. Os cidadãos não podem deixar escapar a ocasião para manifestarem sua opinião sobre a urgência com que deve ser tratada a mudança climática mundial.

Se todos participarem, esta acção poderá aparecer na imprensa e ter peso político. É bom que se faça circular ao máximo este apelo entre os nossos amigos, colegas e parentes...

http://www.amisdelaterre.org/Participez-a-la-plus-grande.html


NOTA: A hora portuguesa (do Continente) é das 18.55 e 19.00 horas.

Portugal e o Espaço



A Proespaço - Associação Portuguesa das Industrias do Espaço, é uma organização sem fins lucrativos cujo principal objectivo é promover, em Portugal, as actividades relacionadas com o espaço, em todos os seus aspectos.

Aconselha-se a visita ao seu site - AQUI.