20 maio, 2011

A XI Feira de Minerais Dr. Correia Mateus já acabou!

 

Decorreu, na Escola homónima, a XI Feira de Minerais Dr. Correia Mateus, desta vez na nova Sala 2 dos Professores da nossa Escola. Estando previsto que decorresse entre 28 de Abril (5ª) e 2 de Maio (2ª), acabou por se prolongar por mais dois dias, para aceder a diversos pedidos (nomeadamente dos alunos de 8º Ano, que tinham estado em visita de estudo no princípio da Feira).


Como de costume, a afluência foi muita: professores, alunos e até funcionários e pais puderam apreciar (e, nalguns casos, comprar) as peças em exposição. Curiosamente este houve à venda meteoritos, o que alegra quem gosta de Geologia e Astronomia, como é o meu caso... Houve ainda alguns cartazes sobre rochas, minerais, fósseis e História da Terra em exposição, trazido pela empresa Minermós, que cedeu o material para venda e nos deu percentagem do dinheiro obtido nas vendas, que os professores de Ciências da Natureza do 2º Ciclo e Ciências Naturais do 3º Ciclo irão usar para comprar materiais para o seu laboratório.


A todos os participantes - os que estiveram do lado de dentro, a fazer de conta que eram vendedores, e os de lado de fora, que foram e comprando as bonitas peças expostas - os nossos agradecimentos. Resta-nos dizer que esperamos que no próximo ano haja novamente uma Feira dos Minerais na nossa Escola e que todos contribuam para o seu sucesso...!

11 maio, 2011

Krotite: a poeira mineral primogénita!



Crónica publicada no "O Despertar", semanário conimbricense.

Nesta altura de peregrinação, contemplo a inimaginável extensão, no tempo e no espaço, da Via Láctea.

Recordo que, segundo o Códice Calixtino, a direcção da Via Láctea era orientação preciosa de peregrinação, por ser o espelho celeste da Estrada ou Caminho de São Tiago. Curiosamente também o parece ser para Fátima!

Mas o que é a Via Láctea? É a galáxia em espiral a que pertence o sistema solar.
E o Sol é apenas uma das 200 a 400 mil milhões de outras estrelas que, observadas a partir da nossa posição num dos braços em espiral (Braço de Orion) da Galáxia, parecem estender-se numa mesma direcção, para cada um dos lados a partir do seu centro.

A Via Láctea tem idade estimada entre 13 e 14 mil milhões de anos! Esta vetusta idade é inferida a partir da abundância em elementos pesados detectados em vários “pontos” da Galáxia. Quanto maior for essa abundância maior será a idade, em consequência da evolução estelar. E os elementos pesados como é que são detectados? Através da observação dos seus espectros de emissão e absorção, que são uma espécie de BI da sua identidade atómica. Mais especificamente, a identificação das linhas de absorção num diagrama de Fraunhofer de um dado corpo celeste que emita radiação electromagnética permite determinar a sua composição elementar.


O sistema solar é significativamente mais jovem: cerca de 4,6 mil milhões de anos! A determinação desta idade segue uma aproximação metodológica diferente. A idade do nosso sistema solar é definida a partir da formação dos primeiros grãos sólidos no disco nebular ou nebulosa que rodeava o proto-sol. Há provas de que estes primeiros grãos foram constituídos por associações de vários elementos em torno de núcleos minerais de cálcio (Ca) e alumínio (Al). Através da datação radiométrica (medição da radiação relativa emitida por certos elementos radioactivos) de inclusões em determinados meteoritos de minerais ricos em Ca-Al, os cientistas estimaram há quanto tempo foi o nosso primeiro segundo.

A idade atrás referida, publicada em 2010 num artigo da Nature Geoscience, foi obtida a partir de um estudo radiométrico da proporção relativa dos isótopos 207 e 206 de chumbo (Pb) presentes em inclusões ricas em Ca-Al num meteorito condrítico carbonáceo encontrado no Noroeste de África e designado por NWA 2364 CV3.


A análise estrutural das inclusões minerais neste tipo de meteoritos encontrados nessa região Africana permitiu que um outro grupo de cientistas descobrisse, no meteorito NWA 1934 CV, um mineral até agora desconhecido e que foi baptizado originalmente por “Krotite”.


O estudo da “Krotite”, cuja fórmula química é CaAl2O4, foi agora publicado na revista American Mineralogist, revelando uma rara mistura refractária de cálcio e alumínio, o que significa que a sua estrutura é estável a temperaturas elevadas. Este facto e a baixa densidade da inclusão, com a forma de ovo partido, onde foi encontrado são compatíveis com a hipótese de ter sido um dos primeiros grãos formados aquando do nascimento do sistema solar.

É o sussurro mineral mais antigo das nossas origens.

in De Rerum Natura - post de António Piedade

Local de alunagem da Apolo 15


Este é o local de alunagem do ML Falcon, na região dos Montes Apeninos/Falha Hadley, no dia 30 de Julho de 1971. Nesta missão, foi levado pela primeira vez um veículo que permitiu a Scott & Irwin percorrer mais de 28km na superfícife da Lua.
Mais detalhe em http://myskyatnight.blogspot.com/

10 maio, 2011

Saturn - 20110508


Mais uma imagem de Saturno, agora com o grande C14.
O belo planeta dos anéis em toda a sua glória.