24 fevereiro, 2011

Divulgação científica - o contributo de uma minha ex-aluna da Universidade de Aveiro (UA)

Em prol da alfabetização científica
Estudante de Biologia da UA dá contributo para levar ciência a todos os públicos


Vera Ferreira, 23 anos, é aluna da Universidade de Aveiro e está a realizar um estágio profissionalizante (4º ano opcional da licenciatura em Biologia) na área da comunicação de ciência, no Parque de Las Ciencias, em Granada. O gosto por comunicar ciência levou-a a querer saber mais sobre a iniciativa «Jovem Jornalista de Ciência», promovida pelo «Ciência Hoje» mas o contacto com este jornal online português de ciência resultou num compromisso mais sério: a colaboração regular numa secção criada à sua medida.


@ua_online - Como surgiu o convite para ser colaboradora do Ciência Hoje?
Vera Ferreira (VF) - Após ter pedido informações sobre a nova iniciativa Jovem «Jornalista» de Ciência, promovida pelo jornal. A iniciativa não se adequava à minha faixa etária mas foi-me proposto pelo director do jornal, Jorge Massada, que escrevesse um pequeno artigo sobre a minha experiência no mundo da comunicação de ciência. O convite foi uma surpresa, ainda mais pelo facto de o director ter visto nesta participação a oportunidade de criar uma secção no jornal dedicada a colaboradores externos.

@ua_online - O que a levou a aceitar o desafio?
VF - Do meu ponto de vista, o Ciência Hoje desempenha um papel muito importante na divulgação da actividade científica desenvolvida em Portugal e no estrangeiro. Para alguém que está a começar a trilhar os caminhos da divulgação científica, a oportunidade que me foi dada não poderia ser recusada.

@ua_online - Que reflexo espera venha a ter esta colaboração?
VF - Espero vir a aumentar a minha (ainda pouca) experiência na área com o apoio de uma equipa qualificada, desenvolver não só as minhas capacidades comunicativas mas também contribuir para a alfabetização científica, levando a ciência a todos os públicos.


Biologia: uma formação atractiva

@ua_online - Quais os motivos que a levaram a estudar Biologia na Universidade de Aveiro?
VF - Foi a minha primeira opção. Dentro do conjunto de universidades que oferecem o curso de Biologia, o programa da UA era o mais atractivo, por ser muito diverso e com forte ligação à investigação. A disciplina de Pesquisa (3º ano) e o Estágio (4º ano opcional) proporcionam uma integração no mundo da investigação e até funcionam, de uma forma transitória e acompanhada, como uma via para o mercado de trabalho; uma mais valia do curso, sem dúvida!

@ua_online - O curso e a UA corresponderam às suas expectativas?
VF - O Departamento de Biologia é bastante acessível. Os professores são muito cooperantes e interessados no bom desempenho dos seus alunos. Os laboratórios de aulas proporcionam todas as condições para uma boa aprendizagem, com todas as condições e equipamentos necessários. A Biologia é um campo muito amplo e o curso faz um apanhado de todas as áreas. O facto de termos muitas cadeiras de opção permite que os alunos delineiem o seu próprio percurso consoante as suas preferências.
A UA é uma universidade jovem, moderna, com um ambiente informal e com um grande espírito académico. Bastante informatizada e com elevadas preocupações em termos de acessibilidade. Não poderia estar mais satisfeita com as condições que nos são dadas.

@ua_online - Que competências adquiriu ao longo do curso e que adequabilidade entende terem para o bom desempenho da sua profissão?
VF - A apresentação de trabalhos é uma parte importante da avaliação das disciplinas e há uma grande preocupação por parte dos professores do Departamento em desenvolver as capacidades de comunicação dos seu alunos. Somos constantemente solicitados a expor oralmente trabalhos de investigação/pesquisa, o que fez com que a minha capacidade de comunicação oral e o à vontade com a assistência se desenvolvessem.
Depois, a licenciatura em Biologia conjuga outras áreas como a química e a física, competências que agora me permitem colaborar em projectos multidisciplinares.

@ua_online - É uma formação que o mercado de trabalho precisa/procura?
VF - Há cada vez mais cientistas a fazerem parte de equipas multidisciplinares de comunicação ou consultadoria. É importante que não só pedagogos ou comunicadores sociais façam parte destes grupos, mas que haja uma colaboração próxima com os investigadores para que se mantenha uma das características principais da ciência: o rigor.
Portugal está no bom caminho para a promoção da cultura científica pois o programa Ciência Viva tem-na fomentado de forma correcta. E a procura deste tipo de equipas vem dos mais diversos tipos de instituições: universidades, centros de ócio e museus de educação informal de ciência, câmaras municipais...


Estágio no Parque de las Ciencias

@ua_online - O que a levou ao exercício da sua actual actividade no Parque de las Ciencias
VF - Tudo aconteceu porque, no ano lectivo passado (2009-2010), estava apenas a fazer a Pesquisa do 3º ano da licenciatura (24 ECTS) e, por isso, pude preencher os restantes créditos com disciplinas de mestrado. Fiz, então, a disciplina de Exposição, Divulgação e Comunicação em Biociências.
Este ano lectivo decidi fazer o estágio profissionalizante (4º ano opcional) na área da comunicação de ciência. Queria dar os primeiros passos nesta área mas desconhecia a existência do Parque. A escolha do local para a realização do estágio foi da responsabilidade ao meu actual orientador da UA, Prof. Paulo Trincão, que já conhecia de perto o trabalho que o Parque desenvolve.
O Parque de las Ciencias oferece um conjunto de actividades educativas a escolas e professores contribuindo para o ensino não-formal da ciência através de ateliês, formação, guias e cadernos didácticos. Em Novembro do ano passado fui integrar o Departamento de Educação e Actividades. O meu compromisso era o de conhecer os espaços museológicos e aprender o máximo sobre as actividades desenvolvidas no Departamento para que, numa segunda fase, possa desenvolver o meu próprio projecto.

@ua_online - Como pode descrever exactamente o seu trabalho e o seu dia a dia
VF - O meu estágio está dividido em duas fases: na primeira tomei conhecimento da estrutura interna do Parque e das actividades que se promovem dentro e fora do museu. Neste momento, na segunda fase, o dia-a-dia é passado entre dois trabalhos paralelos: a participação activa na construção, desenvolvimento e acompanhamento de actividades educativas e o desenvolvimento do meu próprio projecto de estágio. Sempre que há oportunidade é-me dada a possibilidade de assistir aos ateliers educativos, às conferências ou outra actividade que seja promovida no/pelo Parque.

@ua_online - Como está a decorrer a experiência em Granada. As relações profissionais e hábitos diários são muito diferentes?
VF - Em relação à rotina diária há duas diferenças bastante grandes, uma das quais requereu (e ainda requer) grande esforço adaptativo: a hora de almoço começa às três da tarde! A cultura desportiva dos granadinos é muito marcante pois não se acomodam só com as inúmeras actividades culturais que a cidade oferece, mas também passam, muito tempo a passear e a fazer desporto.
As relações profissionais são muito pouco burocratas e muito agradáveis. Todos os colegas do Departamento de Educação (na maioria professores) contribuíram para a minha rápida integração. Não me foram impostas quaisquer restrições na utilização das ferramentas que o museu possui e a interacção com outros departamentos (Comunicação, Infografia, etc.) é muito acessível. Pela semelhança com a nossa, também a língua não se revelou uma dificuldade: basta conhecer as palavras que são efectivamente diferentes.

@ua_online - Regressar a Portugal continua nos seus planos? Quando?
VF - Voltarei ainda antes do final do ano lectivo para terminar a parte escrita do projecto de estágio, sendo que ainda não está definido o local da sua apresentação. Regressar definitivamente é uma incerteza. Em grande parte dependerá do local onde venha a realizar a tese de mestrado, algo que também não está definido. 


NOTA:  já tinhamos aqui falado desta experiência da Vera - ler AQUI.

21 fevereiro, 2011

Formação sobre Exploração Espacial em Leiria


No âmbito da comemoração dos 50 anos do primeiro voo espacial tripulado, protagonizado por Yuri Gagarin, em Abril de 1961, irá realizar-se no Centro de interpretação Ambiental de Leiria, uma formação intitulada “Exploração Espacial”.
Formador: Astrónomo José Augusto Matos

Público-alvo: maiores de 14 anos

Nº de inscrições: Mínimo de inscrições 15 e máximo de 30

Custo: €30,00

Inscrição: no Centro de Interpretação Ambiental, até ao dia 11 de Abril de 2011.

Temáticas do Curso
- Conceitos e definições sobre o espaço;
- Órbitas e satelização;
- Sistemas de propulsão;
- Os pioneiros da Astronáutica;
- História do voo espacial tripulado;
- A colonização do espaço;
- Sistemas espaciais reutilizáveis;
- A vida no espaço.


Calendarização
  • 15 de Abril – das 20.00 às 23.00 horas
  • 16 de Abril – das 14.30 às 19.30 e 21.00-23.00 horas

Ficheiros de Apoio:

Local


Centro de Interpretação Ambiental de Leiria
Telefone: 244 845 651

18 fevereiro, 2011

O Sol estará zangado...?!?

Tempestades de radiação podem causar perturbações nas telecomunicações
Sol brindou Dia dos Namorados com maior erupção dos últimos quatro anos

A erupção de dia 14 foi a maior registada em quatro anos

Conta a NASA que o Sol não produzia uma erupção como a que produziu no dia 14, Dia dos Namorados, há quatro anos. As imagens recolhidas pelo Observatório de Dinâmica Solar da agência espacial norte-americana mostram aquela que é a primeira erupção de categoria X, a categoria máxima, desde 2006.

Os dados recolhidos por este observatório, que visam estudar a actividade da nossa principal estrela, revelam, diz a NASA, que há um novo ciclo solar a iniciar-se, com uma actividade fora do comum no hemisfério sul do Sol, diz a agência no seu site.

Estas tempestades solares emitem altos níveis de radiação, que podem provocar constrangimentos a nível das comunicações, por exemplo. Segundo a NASA, a capacidade destas erupções seria mais potentes do que mil milhões de bombas de hidrogénio.

A erupção registada em 2006, a maior em trinta anos, foi de categoria X-9. Esta última, registada no dia 14, foi de categoria X-1.

17 fevereiro, 2011

Nova Associação Astronómica promove workshop



Workshop – Iniciação à Astronomia – Março 2011

Realiza-se já no próximo dia 12 de Março de 2011, o primeiro Workshop de Iniciação à Astronomia de 2011 a ser efectuada este ano.
Este workshop terá lugar na Marinha Grande (Leiria) e decorrerá ao inicio da tarde. Começa às 14.00 horas com uma primeira parte de vertente teórica, com uma linguagem básica e acessível a todos, e onde onde os participantes terão acesso a muitos equipamentos para experimentar nas suas próprias mãos. A segunda parte, a parte mais prática, terá inicio após um interregno de duas horas para se lanchar ou jantar. Por volta das 20.00 horas e durante a noite dentro, terá início então a sessão nocturna, de observação astronómica.

O programa será o seguinte:
  • 14:00 – Recepção dos participantes
  • 14:30 – Inicio
    • As Coordenadas Celestes e Orientação
    • Binóculos e Observação
    • Telescópios, Tipos e Utilização
    • A Potência dos Telescópios
    • As Oculares e as Lentes Barlow
    • Filtros, para que servem
    • Montagens, Tipos e sua Utilização
    • Buscadores
    • Limpeza e Manutenção de Equipamentos
    • Observação, dicas úteis
  • 18:00 – Intervalo
  • 20:00 – Inicio da Sessão Nocturna
    • Apoio à montagem, alinhamento e preparação dos equipamentos às observações
    • Passeio pelo céu à descoberta das constelações
    • Exploração à Lua e suas crateras
    • Observação guiada a objectos do céu profundo (galáxias, enxames e nebulosas)
  • ~00:00 – Sessão sem hora de fim definido

Inscrições

Os preços das inscrições são os seguintes:
  • Sócios Ad-Astra –  20 Euros
  • Não sócios Ad-Astra – 25 Euros
Notas Importantes:
  • A realização do Workshop estará dependente de um numero mínimo de participantes.
  • A sessão nocturna está limitada às condições atmosféricas desse dia.
  • Caso não seja possível realizar a sessão nocturna por falta de condições atmosféricas, a sessão será agendada para data do Workshop seguinte ou em outra noite a divulgar. Este reagendamento não terá quaisquer custos adicionais.

08 fevereiro, 2011

Júlio Verne nasceu há 183 anos

Google Doodle de 08.02.2011
Júlio Verne, em francês Jules Verne, Nantes, 8 de Fevereiro de 1828Amiens, 24 de Março de 1905) foi um escritor francês.
Júlio Verne foi o filho mais velho dos cinco filhos de Pierre Verne, advogado (avoué), e Sophie Allote de la Fuÿe, esta de um família burguesa de Nantes. É considerado por críticos literários o precursor do género de ficção científica, tendo feito predições em seus livros sobre o aparecimento de novos avanços científicos, como os submarinos, máquinas voadoras e viagem à Lua.

Notícia sobre actividade com astronauta em Portugal

Em Lisboa
Astronauta tira dúvidas a crianças e esclarece se no espaço se usa fralda


“Os astronautas usam fraldas?”, perguntou hoje uma criança a um astronauta norte-americano que, em Lisboa, respondeu a esta e outras dúvidas numa sessão com os pés bem assentes na Terra e marcada pela boa disposição.


Cerca de duas dezenas de crianças entre os nove e dos dez anos espalhavam-se, ora sentadas ora estiradas, por vários 'puffs' coloridos no palco do auditório do Pavilhão do Conhecimento-Ciência Viva, para uma conversa informal com Larry Young, um astronauta norte-americano convidado no âmbito do programa Professores MIT vão à escola.

De pé, o astronauta ia respondendo às dúvidas, devidamente alinhadas em folhas de papel, com a ajuda da directora do Ciência Viva, Ana Noronha, que fazia a tradução.

Num ambiente informal e divertido, Larry Young explicou como os astronautas têm de se preparar física e psicologicamente para ir para o espaço, que têm de saber muita matemática e física, que a uma velocidade de 25 mil quilómetros entram em órbita com a Terra, que no espaço um chupa-chupa flutua e que uma bebida se espalha “por todo o lado”.

Na altura das dúvidas, eram sempre vários os dedos que, apressados, surgiam no ar, mas as perguntas eram muito mais centradas nos aspectos práticos da vida dos astronautas do que na astronomia.

Assim, entre outras coisas, os mais pequenos ficaram a saber que quando estão no espaço os astronautas usam fraldas, que a comida é desidratada e que as gambas são um bom petisco mesmo fora da Terra, que a higiene é feita com toalhetes e que “o dia e a noite” alternam de 90 em 90 minutos na órbita da Terra.

Pelo meio foi incontornável a conversa em torno do primeiro homem no espaço, Yuri Gagarine, o primeiro a pisar a lua, Neil Armstrong, e até a famosa cadela russa Laika, o primeiro ser vivo a aventurar-se fora da Terra.

No final da sessão, Larry Young confessou à Lusa não estar habituado a dar aulas a crianças tão pequenas, mas sim a alunos do secundário e universitários.

Contudo, considerou “inspirador ver o interesse de crianças tão pequenas” e “muito importante” que elas mantenham essa motivação.

“A impressão que tenho é de que todas as crianças se interessam por espaço e por dinossauros e, uma vez que sintam motivação para trabalhar nessa área, servirá para as encorajar a estudar matemática física, química e as bases que servem quase todas as outras áreas científicas”, acrescentou.

Segundo Larry Young, a pergunta mais comum numa criança desta idade é “como é que se vai à casa de banho”, enquanto os mais velhos querem saber como é o “sexo no espaço”.

A dúvida transversal a todas as idades é apenas uma e tem a ver com o factor psicossocial: como é que as pessoas se relacionam quando estão confinadas a uma cabine, durante semanas ou meses?

07 fevereiro, 2011

NASA - Sol a tempo inteiro e em estereofonia

Sondas vão ajudar a antecipar a actividade solar
Fotografias da NASA permitem ver todas as faces do Sol

Imagem tirada a 2 de Fevereiro de 2011 (NASA)

A partir de hoje, os astrónomos poderão saber o que se passa em tempo real em toda a superfície do Sol. Duas sondas da NASA estão em lados opostos da estrela e tiram fotografias que dão um panorama total do astro.

O Sol que se vê a partir da Terra parece um astro sossegado, mas é uma massa esférica de plasma com actividade magnética intensa. Até agora não existia uma imagem total de todo o Sol, mas a partir de hoje as duas sondas do projecto Stereo (Solar Terrestrial Relations Observatory) chegaram finalmente à sua posição final. Estão em locais opostos, a um ângulo de 180 graus, o que permite tirar fotografias complementares, em tempo real, dos dois hemisférios do astro.

“Isto é um grande momento para a física solar”, disse, em comunicado, Angelo Vourlidas, um membro da equipa. “O Stereo revelou o que o Sol realmente é – uma esfera de plasma quente com um tecido intricado de campos magnéticos.”

As duas sondas Stereo (A e B) foram lançadas em Outubro de 2006. As suas viagens foram feitas em sentidos diferentes e ao longo do tempo as sondas foram tirando fotografias do Sol. As fotografias de 2 de Fevereiro (na imagem) obtiveram uma representação quase total do Sol, deixando apenas uma pequenina faixa de fora. Segundo a NASA, a partir de hoje as fotografias dão uma representação total.

“Com esta informação, podemos girar em torno do Sol para ver o que se passa no horizonte sem nunca sairmos das nossas secretárias”, disse em comunicado Lika Guhathakurta, outra cientista que pertence ao programa Stereo. “Espero um grande avanço na física solar teórica e nas previsões do tempo do espaço”, disse a cientista, referindo-se à massa de partículas provenientes do Sol que alcançam a Terra. Se forem muito fortes, podem provocar fenómenos como auroras boreais ou um colapso dos sistemas de transmissão.

As sondas tiram fotografias em quatro comprimentos de onda diferentes, no extremo da radiação ultra-violeta. Desta forma, conseguem identificar acontecimentos importantes da superfície solar, como erupções, tempestades solares ou filamentos magnéticos. Uma terceira sonda pertencente ao programa Stereo, que orbita à volta da Terra, também está constantemente a fotografar o Sol, completando a informação vinda das Stereo A e B.

A partir de agora, os cientistas podem antecipar melhor os fenómenos que surgem na superfície do Sol e que influenciam a Terra. “Actividades que se passam na região mais distante não nos apanharão mais desprevenidos”, explicou em comunicado Bill Murtagh, um cientista do Centro de Previsões do Tempo Espacial, no Colorado, que pertence à NOAA (sigla em inglês para a Administração Nacional para os Oceanos e Atmosfera).

“Com este modelo podemos também seguir as tempestades solares que vão em direcção aos outros planetas. Isto é importante para missões da NASA em Mercúrio, Marte ou asteróides”, acrescentou.

Por outro lado, com os dados obtidos a partir das fotografias vai ser possível relacionar fenómenos que acontecem em pontos distante no Sol. Os cientistas há muito que suspeitam que a actividade solar pode estar interligada globalmente, com erupções solares distantes a influenciarem-se umas às outras.

“Há muitos puzzles fundamentais por trás da actividade solar”, disse Vourlidas. “Ao monitorizarmos todo o Sol, podemos encontrar peças que nos faltam.”

O projecto Stereo vai continuar durante os próximos oito anos.

03 fevereiro, 2011

Um fantástico sistema estelar

Digam “Olá!” à Kepler-11a: a estrela com cinco planetas mais próximos que Mercúrio do Sol
O sistema estelar está a 2000 anos-luz
Chama-se Kepler-11 e está a 2000 anos-luz de nós. Mas mesmo assim, o telescópio Kepler conseguiu identificar à sua volta seis planetas junto à estrela, cinco dos quais estão tão próximos que completam uma volta em menos de 50 dias (Mercúrio demora pouco menos de 88 dias para completar o seu ano). A descoberta é publicado hoje na edição online da revista Nature.

“Estes seis planetas são uma mistura de rocha e gases, e possivelmente incluem água”, disse em comunicado Jack Lissauer, astrónomo da equipa do Kepler da NASA, que trabalha no Centro de Investigação Ames, na Califórnia. “O material rochoso faz a maioria da massa dos planetas, enquanto os gases são responsáveis por grande parte do volume”, disse o cientista, o primeiro de quase 40 autores do artigo publicado na Nature, e acrescentou que estes planetas “estão entre os exoplanetas confirmados com menor massa”.

Os planetas chamam-se Kepler-11b, c, d, e, f e g, têm raios entre 1,97 e 4,52 vezes o da Terra. O mais distante, Kepler-11g, está mais perto da estrela do que Vénus está do Sol.

“É provável que haja mais planetas [neste sistema] que não sejam detectados pelo Kepler”, disse ao PÚBLICO Sérgio Sousa, do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto. O Kepler é um óptimo telescópio a identificar os trânsitos dos planetas. Ou seja, identifica a diminuição mínima de luz de uma estrela, sempre que um planeta passa à frente dela, o que permite determinar o raio do planeta.

Mas há limitações: quanto mais longe o planeta estiver da estrela e mais pequeno for, mais difícil é ser identificado. Para lá do Kepler-11g, podem por isso existir mais planetas.Além disso, se o planeta estiver a girar em torno da estrela num plano acima da nossa linha de visão, vai ser impossível ver o trânsito do planeta.

No caso da Kepler-11a foi um verdadeiro bingo. Os planetas estão pertíssimo da estrela e estão juntos uns dos outros, fazendo com que haja uma grande influência gravítica medida pelo Kepler. Isto permitiu identificar as massas. Esta informação mais o que se sabe sobre a estrela —- um sol semelhante ao nosso — fez com que os astrónomos determinassem as composições do planetas.

Candidatos a “Terra”

Os seis planetas têm uma densidade menor do que a Terra. Segundo Jonathan Fortney, outro autor do artigo, os dois planetas interiores têm uma grande quantidade de água, e os mais exteriores já têm uma atmosfera de hidrogénio e hélio.

“Todos estes planetas começaram [a sua existência] com atmosferas de hidrogénio e hélio bem maiores. Vemos o remanescente dessa atmosfera nos planetas mais exteriores. Os mais próximos provavelmente perderam a maior parte [por estarem mais junto à estrela]”, sugeriu Fortney.

Para Sérgio Sousa estas hipóteses ainda são muito preliminares. “Estes planetas são mais maciços do que a Terra e, apesar de estarem mais perto da sua estrela, não sabemos como é a sua atmosfera, há várias composições possíveis”, explicou.

Uma das surpresas a emergir desta descoberta é que a formação destes seis planetas teve de ser muito mais acelerada do que os teóricos prevêem. De apenas cinco milhões de anos. “A ciência divide-se na teoria e nas observações e as duas vão ter de bater certo. Esta é uma observação que dará muitas ideias e muitas restrições aos teóricos”, antecipou o cientista.

Juntamente com este seis planetas, o Kepler tem uma avalanche de novos dados, anunciou a NASA. Há 1235 planetas candidatos que precisam da ajuda de outros aparelhos para se confirmar se são realmente planetas. Cinco deles são do tamanho semelhante à Terra e estão na região habitável. Por isso, teoricamente, podem albergar vida. Agora, é esperar que haja uma confirmação.
in Público - ler notícia