05 fevereiro, 2010

Plutão visto pelo Hubble

Novas imagens de planeta despromovido
Plutão revisitado pelo telescópio espacial Hubble

Platão está longe de ser uma rocha congelada despida de interesse (NASA)

Mesmo através de telescópios espaciais como o Hubble, sem a atmosfera da Terra a atrapalhar a visão, Plutão é um pontinho de luz. Nada de vermos um pormenor que seja da sua superfície: estará cravejado de crateras? Terá montanhas? Mas é esse ponto de luz longínquo, nas franjas do sistema solar, que o telescópio Hubble revela agora com maior nitidez. As imagens divulgadas pela agência espacial NASA deixaram os cientistas surpreendidos: o planeta (despromovido a anão) ficou mais avermelhado e o pólo norte tornou-se mais brilhante.

A equipa de Mike Brown, do Instituto de tecnologia da Califórnia (Estados Unidos), comparou imagens obtidas pelo Hubble em 1994 com um conjunto tirado entre 2000 e 2003. Resultado, no período entre 2000 e 2002 foi quando ocorreram as maiores mudanças.

O que está na origem destes fenómenos é um mistério, embora os cientistas tenham algumas hipóteses. Provavelmente, devem-se a mudanças na superfície gelada de Plutão, agora que, na sua órbita de 248 anos, começa a sair do ponto mais perto do Sol. Em relação ao brilho, a luz solar terá provocado o “descongelamento” da superfície no pólo norte e os gases resultantes terão voltado a congelar no outro pólo. Quanto ao aspecto avermelhado, pode estar relacionado com a presença de metano, já detectado na superfície do planeta.

Para a equipa, as novas imagens, as mais nítidas de Plutão obtidas pelo Hubble, confirmam que é um mundo bastante dinâmico, cuja atmosfera sofre mudanças assinaláveis ao longo da sua viagem em torno do Sol. Está longe de ser uma rocha congelada despida de interesse.

Mas se por ora teremos de nos contentar com as fotos do Hubble, por melhores que sejam, em 2015 esperam-se novas revelações do planeta-anão, nunca visitado por qualquer sonda. Tal lacuna mudará com a sonda New Horizons, em viagem neste momento pelo sistema solar, e que daqui a cinco anos chegará a Plutão e à sua lua Caronte.

Sem comentários: