25 maio, 2008

Supernova - notícia

Supernova apanhada em flagrante no momento da explosão
21.05.2008 - 20h03 Clara Barata


A explosão foi registada quando a equipa de Maryam Modjaz estava a estudar uma supernova chamada SN 2007uy

No dia 7 de Janeiro, a equipa de Maryam Modjaz estava a estudar uma supernova chamada SN 2007uy, na galáxia em espiral NGC 2770, a 90 milhões de anos-luz de distância da Terra, na constelação do Lince. Eis se não quando, dois dias depois, algo de inesperado acontece: uma emissão extremamente brilhante de raios-X, noutra zona da galáxia — era outra supernova em directo, uma estrela apanhada em flagrante a explodir.

Até agora, os astrónomos só tinham detectado supernovas alguns dias ou semanas depois de uma estrela ter explodido, disse Patricia Schady, do University College de Londres, outro elemento da equipa que descreve a descoberta amanhã na revista "Nature".

“Duas horas depois da emissão de raios X, vimos o que parecia uma bola de fogo em expansão de radiação ultravioleta” com o telescópio espacial Swift. “Houve tempo para pôr de vigia telescópios no espaço e na Terra, para ver os destroços radioactivos brilhantes durante os dias que se seguíram”, concluiu Schady, citada num comunicado de imprensa.

Uma supernova acontece quando o núcleo de uma estrela maciça gasta todo o combustível nuclear e cai sob o peso da sua própria gravidade, formando um objecto ultra-denso — uma estrela de neutrões. Esta comprime-se e depois volta a expandir-se, desencadeando uma onda de choque através das camadas exteriores gasosas e destrói a estrela.

Os modelos teóricos desenvolvidos pelos astrónomos previam que este choque produziria emissões de raios X muito brilhantes durante alguns minutos, mas até agora esse clarão não tinha sido detectado. “Esta observação é o melhor exemplo do que acontece quando uma estrela morre e nasce uma estrela de neutrões”, comentou Kim Page, da Universidade de Leicester, também da equipa.


in Público - ler notícia

Sem comentários: