01 janeiro, 2009

Poema de Natal



A minha Estrela

Zangadas com a Lua
as estrelas
vieram morar
na minha rua.

Digo-lhes adeus, da janela
e namoro-as da minha varanda,
deixando todos de cara à banda.

(Eu já lhes tinha contado
que eu co'as Estrelas...
...É o meu fado)

Ontem, a Estrela mais brilhante
correu, a afagar-me os cabelos,
a ranhar-me as costas
que bom! por um instante.

Depois agachou-se no meu regaço
desfez-me o laço
e ficou a dormir
e a sorrir!...

Manhã alta, acordou,
em aflição.
Sim, em aflição,
de mão no coração.

- Ai o Jesus!...
- O que foi?!
- Tu não sabes que tenho que ir a Belém,
acordar os Pastores,
os meus Amores
e guiar os Reis?!...

E olha que sou eu...
... eu que aqueço o Menino.
(E essa história da vaca
e do burrinho
é mentira pegada)

O José também ajuda,
que, lá bom Pai, ele é.
- Então, e a Mãe Maria?!...
- Essa, coitadinha,
tem que ir lavar a roupinha,
que eu isso não posso fazer
por causa da água.
Morria logo afogada.

Eu só sei
aquecer e dar luz;
e gritar ao Mundo
que nasceu J E S U S.



Com muitas estrelinhas
a iluminar
o vosso Natal
e o ano que vai começar.

Maria Alice - Natal de 2008

Sem comentários: