06 janeiro, 2011

Notícia astronómica no Público

Morrerem há mais de 13 milhões de anos
Astrónomos descobrem restos da primeira geração de estrelas que iluminou o Universo

Foi a partir da luz vinda de um Quasar que os astrónomos identificaram o gás (NASA)

Um grupo de astrónomos descobriu gases reminiscentes das primeiras estrelas que iluminaram o Universo e que morreram há mais de 13 mil milhões de anos. Os resultados foram publicados em Dezembro na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

Os gases foram descobertos com a ajuda de dois observatórios, o VLT (Very Large Telescope), que fica no Chile e o telescópio Keck, do Havai. Os astrónomos só conseguiram identificar estas moléculas devido ao reflexo da luz vinda de um Quasar distante – uma galáxia cujo centro é um buraco negro massivo que emite uma luz intensa.

“Isto foi apenas o primeiro passo, é como encontrar um fóssil”, disse à BBC News o astrónomo Max Pettini do Instituto de Astronomia de Cambridge, no Reino Unido.

As primeiras estrelas que existiram eram feitas de hidrogénio e hélio, deram luz ao Universo. Quando morreram, despejaram material que continha elementos mais complexos como oxigénio e ferro, que foi aproveitado nos sóis que as substituíram.

A descoberta fornece informação para uma das primeiras etapas do Universo, quando este começou a formar as primeiras estrelas, cerca de 200 milhões de anos depois doo Big Bang – que aconteceu há 13,7 mil milhões de anos.

Antes, o Universo era menos variado. “É um período muito pouco conhecido, mas o Universo nessa altura era um lugar bastante chato, só recheado com hidrogénio e hélio”, explicou Pettini. Não havia luz, por isso essa época é chamada de Idade das Trevas.

“E de alguma forma, a partir desse estado inicial, o Universo mudou para uma bela mistura de estrelas, planetas e galáxias que podemos ver hoje”, sintetizou o cientista. Estes primeiros elementos juntaram-se e formaram as primeiras estrelas. Até agora não se conhecia nenhuma observação que comprovasse a existência desta primeira geração de astros.

Mas a nuvem de átomos que a equipa do Reino Unido e dos Estados Unidos encontrou, é mais parecida com os gases que se pensa que estas estrelas produziriam do que com os sóis de hoje. A assinatura da nuvem tem um rácio de átomos de carbono para os átomos de ferro que é 35 vezes maior do que o do nosso Sol. Esta disparidade só poderia ser criada por uma estrela massiva, feita de hidrogénio e hélio.

“As primeiras estrelas têm sido um pouco o Graal Sagrado para os astrónomos”, disse Pettini. “Pensamos que elas tenham tido vidas furiosas e curtas. Estão todas mortas hoje, e não há forma de serem observadas directamente, nem com os telescópios mais poderosos. Por isso, o que encontrámos é o remanescente de uma dessas primeiras estrelas que se formaram no Universo. O carbono, oxigénio, ferro e gás prístino estão numa mistura que nunca foi vista antes.”

Agora que estas nuvens foram identificadas, vai ser mais fácil encontrar outros gases semelhantes. A reunião desta informação vai dar aos astrónomos uma fotografia mais correcta desta fase do Universo.

Sem comentários: