10 fevereiro, 2008

Fizemos Asneira, Vocês Que Se Desenrasquem

Do Blog A Educação do meu Umbigo publicamos o seguinte post, de autoria de Paulo Guinote (um professor de esquerda moderada, que um dia destes há-de explicar a frase do final do post...), recomendando a leitura dos comentários:

Ontem já não andei por aqui a tempo para conhecer a tardia decisão do ME (reuniões ao sábado? isto é que é produtividade!), em aparente consenso com o Conselho de Escolas, para lançar borda fora os prazos que, Maria de Lurdes e Jorge o diziam, seriam para cumprir, porque tudo estava a correr bem e as escolas não precisavam mesmo nada de saber mais do que aquilo que o ME ia conseguindo produzir a conta-gotas e contra os prazos que o próprio definira.

Hoje pela manhã o Público confirma que:

Ministério da Educação alarga margem de manobra para avaliação de professores

As datas para que as classificações dos professores sejam expressas mantêm-se, mas a maneira como cada escola irá organizar-se para cumprir essa avaliação poderá ser mais flexível e não obedecer aos prazos intermédios previstos. A decisão foi ontem anunciada pelo Ministério da Educação (ME).
“Vamos dar às escolas liberdade de se organizar, desde que respeitem os objectivos decisivos”, disse ao PÚBLICO o secretário de Estado adjunto da Educação, Jorge Pedreira, depois de uma reunião com a direcção do Conselho das Escolas (órgão consultivo do ME que representa todos os estabelecimentos de ensino).
Nas datas das classificações - o final deste ano lectivo para os professores contratados e o do próximo para os outros - “não há qualquer adiamento”, mantém Jorge Pedreira. Pelo meio é que será possível gerir etapas, sempre que as escolas “fundamentarem a impossibilidade que têm de cumprir” metas calendarizadas.

Esta decisão, o modo como é apresentada e a metodologia usada para lá chegar merecem variadíssimos comentários que certamente não se esgotam num post.

  • Antes de mais o facto do ME usar o Conselho de Escolas como o seu interlocutor para esta matéria visa anular o efeito do parecer negativo deste órgão sobre o processo de avaliação e, por outro lado, co-responsabilizá-lo pela decisão em curso, como se o único problema fossem os prazos e não a metodologia a seguir no processo de avaliação e o CE validasse tudo o resto. Se calhar até valida (por iso é que não gosto de pareceres demasiado abrangente e indefinidos).
  • Em seguida, usa-se novamente o sistema de fazer letra morta do que foi legislado em decreto-lei, ficando eu na expectativa da forma como o ME verterá em diploma a decisão agora tomada.
  • Para além disso, repara-se como o Governo passou a enveredar pelo «recuo, não recuando», expresso nas lamentáveis declarações que sucessivamente Jorge Pedreira vai fazendo sobre todos os assuntos em agenda, começando a ultrapassar Mário Lino em ziguezagues retóricos. Afinidades, respeitinhos, obediências à parte, Jorge Pedreira já deveria ter-se ido embora depois do lamentável desempenho, tanto por ocasião do ECD, como pela chantagem implícita sobre o processo de avaliação e culminando agora neste exuberante flik-flak à retaguarda, quando confrontado com as suas firmes afirmações em contrário proferidas ainda esta semana. Como sempre, continuo a ter dificuldade em distinguir uma mentira política de outro tipo de mentiras. Sei que é feitio ou defeito meu, mas assumo-o. Mas verdade seja dita que Valter lemos também ainda lá está de pedra e C.a, depois de ter assinado despachos sucessivamente desautorizados pelos Tribunais.
  • Entretanto, é óbvio que a medida actual visa apenas ganhar tempo, um pouco de fôlego e apagar a contestação em algumas instâncias das escolas, nomeadamente os seus órgãos de gestão que o Conselho de Escolas representará. Claro que este recuo é um recuo. Mas também é verdade que é um mero recuo táctico que não implica uma mudança de estratégia. O Ministério falhou fragorosamente na implementação no novo modelo de avaliação dos professores (começando desde logo pela admissão da incapacidade de avaliar os avaliadores, seguindo-se depois a incapacidade para colocar em funcionamento o CCAP e agora admitindo que definiu prazos sem sentido para todo o processo). Mas o objectivo é que em 2009 os professores estejam todos manietados pela avaliação, a qual estará dependente da avaliação dos seus alunos e, dessa forma, condicionando os resultados finais no ano lectivo de 2008-09, que são aqueles que se pretendem apresentar em cima das eleições.
  • Para tudo isto usou-se o método chico-esperto do tuga desenrascado: fizemos isto mal, errámos em grande, mas afinal está tudo bem, vocês que se desenrasquem, porque os vossos representantes acham que isto é apenas uma questão de prazos.

Agora fica a questão essencial: o Conselho de Escolas concorda com isto? Acha que só os prazos estão errados? Que tudo o mais está certo e assenta numa metodologia correcta? Se assim for, penso que o Conselho de Escolas representa realmente a minoria dos adesivos que apenas receia não ter tempo para desenhar as grelhas com todos os requintes, com o bold certo nos títulos e os destaques a cor nos sítios certos. Certamente não representa as “Escolas” e está apenas tenta diminuir a tensão causada pelas posições demasiado “autónomas” dos últimos tempos. Porque a questão não está apenas nos prazos, a questão está na forma como este processo pesadamente burocrático tolhe o normal funcionamento do trabalho pedagógico dos docentes. A questão está na necessidade de repensar o modelo e os critérios usados para a avaliação. Enquanto o CE não tiver coragem - ou não achar necessidade nisso - para apontar os erros do modelo, discutir prazos não passa de peanuts, porque tudo dará no mesmo.

Entretanto, acredito «sem a mínima dúvida» que mesmo tendo sido ao sábado, a Presidência da República tenha «acompanhado» mais esta evolução na área da Educação.

(volta Santana, porque afinal…)

Posted by Paulo Guinote under (In)Competência, Avaliação, Coerências, Docentes, Educação, Inversões de Marcha, Truques

Sem comentários: