24 setembro, 2006

Comemorações do Equinócio II

O Correio da Manhã, na sua edição de hoje (24.09.2006) publica, numa grande notícia, a tentativa de levantamento do Menir, aqui previamente referida:

‘MegaConserto’: Reguengos de Monsaraz
Menir resiste no chão



A força foi muita e a vontade dos populares também. Mas, apesar das mais de 150 ajudas que compareceram ontem na Herdade do Barrocal, Reguengos de Monsaraz, revelou-se muito difícil levantar do chão, através de métodos primitivos (força física, paus e cordas), um menir com cerca de 15 toneladas e mais de cinco metros de altura.

Durante cinco horas, a última das quais iluminada pelos faróis de diversos automóveis, mais de 30 homens, mulheres e crianças manejaram as alavancas de madeira colocadas por debaixo do menir. Outras 120 puxaram as cordas, mas apenas conseguiram colocá-lo a 45 graus acima do chão.

Hoje, o trabalho, em tudo semelhante aos processos utilizados na Pré-História, irá continuar com a ajuda de populares por forma a colocar o menir tombado no respectivo lugar. Se eles não comparecerem em número suficiente, o processo será concluído com a auxílio de máquinas.

“Não temos pressas porque isto não é uma obra de construção civil. O importante é que as pessoas participem e percebam o quanto era difícil levantar um menir com processos técnicos e com materiais acessíveis na Pré-História”, referiu o arqueólogo Manuel Calado, um dos responsáveis por este ‘megaconserto’ que decorreu no equinócio de Outubro: “Esta é uma data simbólica porque hoje o Sol nasceu exactamente a Leste. Este menir poderá estar relacionado com os astros porque estava também virado a Leste.”

Apesar do esforço, o ambiente de festa e o espírito de grupo nunca abandonaram os participantes na iniciativa. Filipa Silva, aluna da Faculdade de Letras de Lisboa, esteve sempre na linha da frente, tanto nas alavancas como nas cordas: “Não é fácil. Vamos conseguir”, declarou, convicta, ao CM. Um pouco mais atrás nas cordas, José Guerreiro, de Reguengos, sugeria: “Se não tivermos cuidado, os paus do tripé que ajudam a levantar o menir podem partir-se com a pressão.”

Quando o menir estiver levantado, a Herdade do Barrocal deixará um trilho aberto para que as pessoas o possam visitar.

MONUMENTO RELIGIOSO OU UM MARCO

Os menires são monumentos pré-históricos em pedra, cravados verticalmente no solo, às vezes bastante grandes. Para erigi-los, os homens provavelmente começavam por levantar uma coluna em honra de um deus ou de um acontecimento, embora a maioria dos historiadores os relacionem com o culto da fecundidade (menir isolado), um marco territorial (isolado), um orientador de local (isolado) ou um santuário religioso (em círculo, de que Stonehenge, em Inglaterra, é o exemplo mais famoso).

As primeiras construções megalíticas da Europa Ocidental localizam-se em Portugal e datam de finais do VI milénio antes da nossa era. O Cromeleque dos Almendres, a 13 quilómetros de Évora, é o maior conjunto de menires estruturados da Península Ibéria e um dos mais importantes da Europa.

FESTA REGADA A TINTO DE REGUENGOS

Para que os populares ganhassem uma força extra para ajudarem a levantar o menir, os promotores do ‘megaconserto’ promoveram uma grande festa com churrasco gratuito à mistura. Entre o entrecosto e as febras grelhadas, o chouriço e o pão alentejano, o que teve mais ‘saída’ foi o vinho novo da Adega Cooperativa de Reguengos. “Já há por aí uns quantos bem ‘lubrificados’... As garrafas têm desaparecido daqui com grande velocidade”, disse ao CM Manuel Bugalho, um dos homens que estava a distribuir comida e bebidas pelas mais de 300 pessoas que estiveram na Herdade do Barrocal.

A meio da tarde, muitos dos que acorreram ao local, sobretudo os mais jovens, já estavam encostados aos fardos de palha colocados por debaixo dos sobreiros a fazer de bancos. “O vinho não perdoa para mais quando é à borla!”, comentou um outro homem de serviço ao ‘bar’.

Entre os populares que assistiam ao levantar do menir estavam algumas figuras da política nacional e local. O presidente da Câmara de Reguengos, Vítor Martelo, apareceu à tarde acompanhado pelo eurodeputado socialista Capoulas Santos. O ex-eurodeputado do CDS-PP, Rosado Fernandes, também assistiu ao ‘conserto’.

HISTÓRIA

O MAIOR

Com 5,70 metros de altura, o menir do Barrocal é o maior encontrado no distrito de Évora e reconhecido, pelas dimensões e significado científico, como um dos mais importantes da Península Ibérica.

ALQUEVA

Descoberto no início do enchimento da barragem do Alqueca, foi removido durante trabalhos agrícolas realizados na Herdade do Barrocal, entre S. Pedro do Corval e Monsaraz.

ÉVORA À FRENTE

O distrito de Évora é a área da Península Ibérica onde existe maior número de monumentos megalíticos: só no concelho de Reguengos de Monsaraz existem mais de 150 identificados.

CINCO MIL ANOS

Os menires que têm sido encontrados datam de há cerca de cinco mil anos e estão relacionados com as estruturas culturais das primeiras comunidades de agricultores da região.

CM - texto de Alexandre M. Silva, Évora (24.09.2006)

Sem comentários: